Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

26 de jan de 2011

Alada...

"... a vida simplesmente é poesia. Inconscientes, nós a vivemos dia-a-dia e fragmento por fragmento, mas, em sua inviolável integridade é ela que nos vive, ela que nos leva...".

(Lou Andreas-Salomé)


A PALAVRA

A palavra é uma estátua submersa, um leopardo
que estremece em escuros bosques, uma anémona
sobre uma cabeleira. Por vezes é uma estrela
que projecta a sua sombra sobre um torso.
Ei-la sem destino no clamor da noite,
cega e nua, mas vibrante de desejo
como uma magnólia molhada. Rápida é a boca
que apenas aflora os raios de uma outra luz.
Toco-lhe os subtis tornozelos, os cabelos ardentes
e vejo uma água límpida numa concha marinha.
É sempre um corpo amante e fugidio
que canta num mar musical o sangue das vogais.


(António Ramos Rosa)





SOB O CÉU

O que nos cerca esconde suas surpresas
além do que se espera
além do que se sabe.
Não conhecemos tudo
nem de todo uns aos outros.
Um teto de silêncio nos limita
da música inaudível das estrelas
e nos contém pelas luzes mais distantes.
Debaixo desse céu
no entanto
as nossas sombras caminham de mãos dadas.


(Dade Amorim)



Gosto de olhar as pedras e os desenhos do vento
na superficie da água, gosto de sentir as modificações
da luz quando o sol está desaparecendo do outro lado
do rio, gosto de sentir o dia se transformando em noite
e em dia outra vez, gosto de olhar as crianças brincando
no corredor de entrada e das palmeiras que existem
no meio da minha rua — gosto de pensar que vou sempre
ter olhos para gostar dessas coisas, e por mais sozinho
ou triste que eu esteja vou ter sempre esse olhar sobre as coisas.

(Caio Fernando Abreu)
........................

IMAGENS: Ana Luisa Kaminski fotografada por Sindri Mendes
........................

Convido-os/as a conhecerem também meu novo blog:
Arte Onírica de Ana Luisa Kaminski
www.arteanaluisakaminski.blogspot.com

Fantasia...


RETRATO

Quando enfim encontro o meu sentir
que andava por aí, sem ter descanso
percebo que sou qual gota d'água.
Frágil e pequena.
Abro a mala dos sonhos,
recorto os pesadelos.
Aceito os desafios
de abraços sem renúncia,
seguro no varal da memória
a delicadeza.
Deito-me mansa e sombria.
Estou que é só fantasia.


(Solange Rebuzzi)




IMAGENS: Ana Luisa Kaminski fotografada por Sindri Mendes