Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

24 de fev de 2013

Caminhos do coração






Cada coração tem seu tempo, sua bússola, seu mapa, sua chave, seus mistérios, seus caminhos, cicatrizes e desejos, sua coleção de sentimentos, seus sonhos e segredos bem guardados.

Apesar de o coração ser apenas um músculo, ele é diretamente afetado por nossas emoções, como se sabe, o que é comprovado cientificamente, ou revelado por toda a história humana, da arte e da poesia, pelas conexões existentes entre o coração, o amor, a vida e a morte...

Quando estamos sofrendo e angustiados, o coração fica apertado, parece comprimido e pesado no peito... Quando estamos felizes e apaixonados, e nos sentindo amados, ele bate mais forte e compassado, por vezes parece que dança, canta, flutua ou que criará asas e sairemos voando, talvez levitando e desafiando as leis da gravidade!...

Sabe-se que pessoas solitárias, depressivas e mal-humoradas sofrem mais de problemas cardíacos e estão mais sujeitas a falecer de infarto.

Para os místicos e médiuns, é aceito sem questionar que o chakra cardíaco é o centro do sistema dos chakras. Nele se unem os três centros inferiores, físicos e emocionais, com os três centros superiores, mentais e espirituais e é também o ponto de encontro entre os aspectos racional e masculino e o intuitivo e feminino.

É preferível guardar apenas os sentimentos benignos, nobres e luminosos no cofre do coração, pois certos venenos emocionais podem fazer muito mal a nós mesmos e a quem está ao nosso redor. Cada um faz suas escolhas, entre guardar jóias ou lixo, entre cultivar amor, alegria e gratidão, ou ressentimentos, tristeza, desamor. Destas escolhas dependem não apenas a boa saúde do coração e o bem-estar do sujeito como um todo, mas, também, quais serão os mapas desenhados e os caminhos trilhados ao longo da viagem vital...


***