Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

1 de nov de 2010

Pulsações


Sôpros de vida
suavidade, cores, sons
pinceladas e pulsações:

A cada manhã, nova luz:
a vida se recompõe
se reinventa e refaz

Pétala por pétala
sílaba por sílaba
átimo por átimo

de amor e emoções
redesenhadas na palavra
escrita, dita ou sussurrada
que teço e bordo, incansavelmente, para ti...



(Ana Luisa Kaminski)

"BORBOLETA AZUL MUSICAL". Pintura de Ana Luisa Kaminski
............................................

A borboleta pousada
ou é Deus
ou é nada


(Adélia Prado)

11 comentários:

Chica disse...

A vida se recompondo a cada sopro...Linda imagem também...

Luciana Marinho disse...

sempre cultivando o Amor... beijos, analuz!

Eliana f.v. - Li Andorinha - disse...

Ana tua pintura parece um sonho...daqueles que desperta o sorriso da nossa alma!
Tua poesia é como a brisa deliciosamente delicada!
Parabéns e grata por compartilhar
tanta beleza

beijinhos com carinho da Eliana

Maria disse...

Estou aqui, agora, mostrando seu blog pra uma amiga-irmã, de repente foi chegando mais gente, estão todos embevecidos com as suas "pulsações", pintadas, escritas, sempre aladas e lindas...

livia soares disse...

Querida Ana Luísa,
que bom que voltou!
Grata pela doce visita.
Aqui o blog como sempre está de dar gosto...
Um abraço.

Costurando-Marias disse...

Lindo seu trabalho. Belas pinturas!!!
Namastê!

Alfonso Czaplinski disse...

Oi Ana Luisa!
Parabéns pelo seu trabalho!
pelas bonitas pinturas
e mensagens que enchem a nossa mente e a nossa alma
de esperança!
Cristo disse-nos:
Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou...
Continue sempre firme em seu trabalho.
Abraços

Mar Arável disse...

A preto e branco

com muitas cores

Bjs

lana disse...

Encatou-me con tanta suavidade e beleza aqui vista.
beijo-te por isto.

Maü Cardoso disse...

Querida Analuka...
Seus trabalhos e manifestações,
todas elas, são sempre
permeadas de amor e leveza.
Você faz bem para as pessoas.
Obrigado.
Um beijo muito grande,
Maü Cardoso.

Anônimo disse...

nostalgie de l'infini....c 'est beau,romantique,triste et tout à la fois,c'est peut être la musique qui l'accompagne qui fait ressentir ce texte formidable