Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

10 de out de 2009

fulgurações

Olhares
esgarçados
perscrutando
labirintos
e abismos
escondidos
descobrindo
paraísos
e sentidos
fulgurantes
nos instantes
que cintilam
e tão rápido
se esvaem...

(Ana Luisa Kaminski,
fevereiro/2008)


ARTE DE STAËLL DI LUKKA


"Eu dormia... Um anjo sussurrou-me ... Acordei com teu nome no âmago, na alma, A tua imagem, desenhando-se nas nuvens brandas, mansas e alvas da minha manhã. No caminhar do dia, diáfana dádiva azul incrustando-se na rotina, nos móveis, nas minhas mãos, até desfazer-se. Agora, me deito, faço uma prece e percebo que ainda resta-me mais do que resquícios teus. Resta-me o ser-te, ser-me, o teu ser sem-fim, amalgamado em mim."
(LARA LUNNA, 2009)

9 de out de 2009

farelos azuis...



Hoje flutuam na alma

restos de desejos rosados
cinzas estelares azuis
migalhas de sonhos violetas...


Cintilam sentidos soltos
cores
farelos de luas e letras...


(IMAGENS E TEXTO de ANA LUISA KAMINSKI)

3 de set de 2009

PERSONAS & SONHOS: pinturas de Ana Luisa Kaminski e Staëll Di Lukka


Entre máscaras e matizes, personas e sonhos, cores e conteúdos, que sentidos se escondem, que desejos aparecem, que verdades se revelam? No mistério das mandalas e na infinda transmutação das formas, podemos entrever e ser vistas, interpretamos e somos interpretadas, podemos transformar e somos transformadas... No intuito de partilhar um pouco de nossas viagens íntimas e do complexo mundo interior de cada artista, planejamos a montagem desta mostra pictórica. Apresentamos em forma de imagens, que surgem nos semblantes sobrepostos às telas, frações, facetas e partículas pintadas destes complexos cosmos íntimos que tentamos construir e desvendar... Em cada tela ou trama, vórtice ou espiral, cor ou movimento, vislumbram-se parcelas das personas e sonhos dos quais somos urdidas... Em cada composição, ressurge o enigma do ser, do sonhar e do sentir, novamente re-velado, traduzido, inventado, nesta inesgotável decifração, na inefável mágica da Arte...


No dia 08 de setembro de 2009, acontecerá a abertura da exposição de pintura PERSONAS & SONHOS, das artistas Ana Luisa Kaminski e Staëll, na Morada dos Baís, em Campo Grande, MS. Todas as almas amantes da arte, amigas e amigos, estão convidadas!...



IMAGENS: pinturas de Ana Kaminski e Staëll Di Lukka

15 de ago de 2009

tonalidades invernais


I
a roupa no varal entrega ao vento
a desbragada candura dos botões
e há uma canção de luz em andamento

II
além da mesa do almoço
o gato apaziguado nos espia

na tarde mansamente inaugurada
reaparecem as flores do futuro

: dentro de nós o vento se anuncia

III
o vento na janela subverte
o quarto de dormir nesse
bailado insurreto de cortinas

nos muros do jardim as vozes breves
em contraponto de intenções minúsculas

pensa por nós o vento e imprecatada
a lava fria da lua nos contempla

varrido o chão da noite
o tempo recrudesce em nossa cama

IV
o pássaro no mundo de suas grades
é ele mesmo quadrado diminuto
afeito ao vôo curto
mas
rumo ao céu
desfere a fantasia de seu canto


Poema de ADELAIDE AMORIM
...................
Imagem: Lukka pintando Lunna, inverno 2009

26 de jul de 2009

Personas Aladas



Domingo frio, chuvoso e cinzento na ilha...
Os pensamentos viajam em variadas direções, a alma mergulha no anil, no ultramar, no abissal... As horas deslizam, entre suaves, serenas, sérias e indóceis, inquietas, intranqüilas: alizarim e pulsação infinda sob as camadas azuis e veladuras lilases!
Sempre é tempo bom para pintar: faça chuva ou sol, seja verão ou inverno, a vida se reinventa, germinam sementes e sonhos, as almas suspiram, palpitam e voejam!!!

IMAGEM: "Personas Aladas".
Pintura de Ana Luisa Kaminski

21 de jun de 2009

Tons invernais, movimentos vitais

(Desenho de ÈVA JÁNOSY)

*Texto de JUAN BM e Imagens de ARTISTAS DIVERSOS

UN MÚSICO EN LA SOMBRA

Después de largos encuentros y días acariciando su cuerpo con tus manos suaves, cálidas y lentas, llenas de emoción y estremecimiento fuiste comprendiendo que hay una música en la sombra, una melodía en el silencio. La acariciabas y ella a ti. Os sentíais como dos instrumentos vivos en vuestras manos capaces de una sinfonía luminosa, una pequeña aurora en mitad de la penumbra en una habitación perdida.

(Desenho de STAËLL DI LUKKA)

Tocar la piel era tocar el alma y tocar el alma era reverenciar una vida, hacerla despertar, brotar, sentirla adueñarse del tiempo. Sonoridad de gemidos y arpegios, silencios vivos porque la piel es la metáfora de las entrañas, las cuerdas de un arpa oscura que unas manos acarician. Piel, límite y envoltura, espacio de la espera y esperanza, extraño lugar donde vive el ansia del otro. Orilla abierta y labrada en noches y días de soledad y que espera su despertar cuando se pose una mano que producirá un extraño sobrecogimiento y entonces se cumplirá el ser extrañamente devuelto a uno mismo porque alguien ha abierto una verja de un jardín olvidado donde nos encontramos siendo el sonido que nos conduce a la fuente donde brota lo vivo. Piel, límite, cerradura sin llave que abre una caricia real o simbólica. Llevas en la piel el molde de una mano que aún no has sentido y que encontrará allí su destino realizado. Eres como algunas esculturas que parecen entrañar un vacío que es un lugar para el otro capaz de culminarnos.

(Pintura de ANA LUISA KAMINSKI)

Entonces el mundo cobraba una dimensión nueva. El mundo, lugar de esa música escondida que habías empezado a oír. Era música la canción de los amantes, el lamento de los solos, la sencilla amistad con su blancura de inocencia. El vacío de algunas vidas. El mundo era también una sinfonía en la levedad donde el rocío del alba temblaba como temblaba el cuerpo en su inmensa fragilidad. Había una sinfonía que el bosque tocaba en tus entrañas, como las luces de aquel café que sumergían la estancia en una semioscuridad que acrecentaban la impresión que la decoración te provocaba. Aquel café que te recordaba a ese otro espacio vital que son los sueños con su olor a incienso, con su tapicería roja, desgastada y manchada que le daba un cierto aire de viejo vagón de tren que parecía llevarte a otros paisajes que podían palparse en su invisibilidad.

(Fotografia encontrada na net, desconheço o autor)

Y así descubriste que acariciar otra vida, tan valiosa como la tuya, tan lastrada como la tuya, es haber cumplido un extraño destino que te llenaba de alegría, y la alegría es también una canción que bailan las flores en una plaza soleada de domingo, en el abrigo de la amistad y del encuentro. Alegría, pájaros que surcaban el cielo en su belleza inconsciente.

(Desenho de ÈVA JÁNOSY)

Sí, hay un músico en la sombra y en el silencio, capaz de hacernos brotar las mejores notas de una melodía única e inesperada. Porque habías descubierto como quien descubre un misterio que no sólo podías hacer una extraña música sino también oírla mirando unos ojos, un semblante. Que todo lo que está vivo de verdad era pura música. Comprendiste que el destino de los hombres es que no se cumplan sus deseos, estando cercados y maltrechos pero que sí se cumplían sus caricias y las caricias podían viajar en el tiempo, podían viajar al pasado y desatar a un ser menesteroso terriblemente herido, podían liberar a los esclavos, cambiar el destino, vencer al miedo, dar la libertad y viajar al futuro aunque ya no estuviéramos presentes en él, quedar allí como una ofrenda sin nombre. Te lo decía tu memoria de lo vivo porque estaba llena de caricias y tu memoria de lo terrible.

(Imagem de JUAN BM)

Y entonces ¿dónde ocurría la vida que importaba, esa capaz de hacernos renacer una y mil veces? -te preguntabas- y buscabas anhelante esa orilla donde la vida puede ser un pequeño dios que nos salvará de la orfandad de otros dioses. Un pequeño dios que nos salvara incluso de nosotros mismos, porque era encuentro con lo que no somos. Ese encuentro que no es la supremacía de uno o de otro, ni el juicio ni el desprecio. No es adueñarse del otro ni aprovecharse de él. Demasiados altares de sacrificio en las historias personales y colectivas.

(Pintura de STAËLL DI LUKKA)

Esa orilla anhelada estaba aquí y ahora, presentías que no había que ir muy lejos, ni embarcarse en aventuras que eran en realidad una huída. Presentías que esa orilla era frágil, pero allí tenia lugar la música de lo mestizo, un lugar donde se escribe una partitura capaz de una alquimia tal. En realidad habías buscado esa orilla toda tu vida sin saberlo y tu vida sería una entrega a esa orilla anhelada.
(Pintura de NACKA KOVACIK)

28 de mai de 2009

Arte Azul

Hoje trago para este espaço algumas pinturas de artistas cuja obra aprecio.
Espero que os visitantes de ÂNKORAS & ASAS também se deleitem com a dança de matizes.


ARTE AZUL de MADALENA LOBÃO TELLO (Chile)
"Eva Eterna". Pintura de Madalena Lobão Tello

"Vai, minha deliciosa tempestade, trabalha e tece, enquanto a semana tece em ti os seus dias, tentáculos de luxo e promessas, sob a fina urdidura de tuas vestes - minha potestade, meu álibi para almejar o que há de mais belo, meu fauno de mármore, minha vitória alada, meu oráculo anunciador de maravilhas, dize então a quem devo indagar quando voltas - aos deuses enfastiados em seus pedestais ou àquela estrada que se abre à nossa frente? Pois já não tenho o poder de inventar saudades, já não existem os dias sem ti (todos eles - imaginados ou vividos - nos pertencem), sóis e luas te levam e te trazem a salvo, sempre a salvo, meu amor, para que estejas em casa, quando o telefone tocar."
(LIVIA SOARES)
..............................................

ARTE AZUL de ERNA ANTUNES (Brasil)

"Cigana". Pintura de Erna Antunes

"Lanço-me assim como o vôo dos anjos e, suspensa nos ares das nuvens, minhas asas se fortalecem. Anteno-me como os astronautas. Tenho sede de ir mais alto, aos arredores da lua e de suas vilas abrigadas em crateras, pois, em sua brandura lunar, não se derreterá a cola com que grudei minhas asas aos braços. Pernoito hotéis estelares para o cansaço das horas, me desfaço das penas e molho de chuva meus sonhos de ave. Durmo, sobre um pálio azul e meu corpo é puro devaneio de céu. Meus encantos sutis de fêmea e ave, agora planam num sonho voador nas cercanias do teu mundo tão longe e perto de mim. Sou mulher para a busca do meu amor de lonjuras. Pouso à tua porta para que me abra a luz da tua casa, do teu quarto, da tua cama... Meu voo não tem hora, nem passagem, nem permissões de tráfico celeste e, assim fico ao calor que me aquece perto das tuas mãos que me passeiam. Fico horas assim, no proveito amoroso das tuas ousadias, esquecida do tempo, esquecida da minha metamorfose de ave."
(GENNY XAVIER)
...........................

ARTE AZUL de STAËLL DI LUKKA (Brasil)

"Sereia". Pintura de Staëll Di Lukka

"Depois, o azul transformou-se em verbo e me deparei ao acaso com o texto magnífico do poeta Nuno Júdice que criou a “receita” da cor: "Se quiseres fazer azul, pega num pedaço de céu e mete-o numa panela grande, que possas levar ao lume do horizonte; depois mexe o azul com um resto de vermelho da madrugada, até que ele se desfaça; despeja tudo numa bacia bem limpa, para que nada reste das impurezas da tarde. Por fim, peneira um resto de ouro da areia do meio-dia, até que a cor pegue ao fundo de metal. Se quiseres, para que as cores não se desprendam com o tempo, deita no líquido um caroço de pêssego queimado. Vê-lo-ás desfazer-se, sem deixar sinais de que alguma vez ali o puseste; e nem o negro da cinza deixará um resto de ocre na superfície dourada. Podes, então, levantar a cor até à altura dos olhos, e compará-la com o azul autêntico. Ambas as cores te parecerão semelhantes, sem que possas distinguir entre uma e outra." (CÉLIA MUSILLI)

(CÉLIA MUSILLI)
.....................

ARTE AZUL DE JOSÉ VENTURA (El Salvador, Canadá)

"Cellist". Pintura de José Ventura

"Amo-te em azul. beijei-te em azul claro
quando claros eram os lábios.
um azul forte correu nos meus ombros
quando os teus ombros foram mais fortes que os meus.

doce e suave era o azul que amei no teu corpo
quando o meu corpo começou a entardecer.
em azuis quase verdes desmaiei os meus olhos
quando os teus me devolveram um azul quase cinza."

(ISABEL MENDES PEREIRA)
.............................

ARTE AZUL DE ANDRUCHAK (Brasil)

"Gatos". Pintura de Andruchak
Ciranda

Todo gato é um enigma
Todo olhar é um oceano
Toda traça come letra
Toda letra entorta ou plana

Todo céu tem um cometa
Todo mar tem um navio
Todo rio tem uma curva
Toda curva um desvario

Toda noite tem estrela
Todo sol tem meio-dia
Todo corpo tem a pele
Toda fêmea tem um cio

Toda mente tem lembrança
Todo beijo língua e gosto
Toda veia tem um pulso
Toda água tem um poço

(CÉLIA MUSILLI)
....................

ARTE AZUL de CRISTIANE CAMPOS (Brasil)

"Inverno". Pintura de Cristiane Campos

Mundos Invisíveis
Há sempre alguém que não vemos nos doando flores. Este pensamento trouxe o infinito para o peito dela e um deixar-se ali onde o humano cresce livre da morte do silêncio. Da morte da partilha. Da morte da solidão. Ela aninha-se na palma da mão da humanidade. O sagrado move-se em suas artérias como nos olhos dos apartados, dos feridos, dos sem céu. Ela aninha-se na respiração profunda das árvores. Caminha junto ao martírio dos cravos. Atravessa os inquebrantáveis em suas verdades. Atravessa os tolerantes entre iguais. Atravessa os catalogadores de seres. Descansa onde o bico do pássaro recolhe a seiva. E flore.
(LUCIANA MARINHO)
...............................

ARTE AZUL de THIAGO REGINALDO (Brasil)

Detalhe de "Ninfa Aquática".

......................

ARTE AZUL de ANA KAMINSKI
Detalhe da pintura "Meditação Azul" de Ana Luisa Kaminski

FOLHAS VERDES

caminho feito de somas
restos deixados
temperamento do tipo tardio

no final
sempre folhas verdes
e novas

(LEILA LOPES)

22 de mai de 2009

Pintando a Vida

“Com a poesia, a imaginação se coloca no lugar onde a função do irreal vem seduzir ou inquietar – sempre despertando – o ser adormecido em seus automatismos”.
(GASTON BACHELARD)
.........................
PINTURAS DE ANA LUISA KAMINSKI


Renovar (olhares e mundos)
reciclar (olhares e laços)
reinventar (olhares e mapas)
necessidades vitais
das almas aladas
vivazes-viajantes...

(Ana Luisa Kaminski)

15 de mai de 2009

Entre Letras, Abismos e Asas...



"O sentido do texto é o acto da sua própria produção, a sua função é mostrar-se, manifestar-se, e ao fazê-lo manifestar-se a si e ao mundo, manifestar a possibilidade de libertá-lo."
(Ramos Rosa)
......................
"O cenário da criação literária é cercado de riscos, não apenas porque o que se pretende, ao que tudo indica, é ir além dos limites da linguagem, devassando-os, mas também por causa da natureza do afeto que, se não mobiliza essa criação, é mobilizado imprevisivelmente por ela."
(Ana Cecília de Carvalho)
......................
"A literatura é uma experiência do real, ao mesmo tempo que o fingimento da sua unidade inteligível. Uma verdade do real contra as suas formas socializadas: uma verdade "vréel", como dizia Kristeva, ou a própria forma como a realidade se desrealiza: a poesia é indiferente relativamente ao objecto do enunciado. Qual a relação existente entre imitação literária e realidade factual? O maior mérito da Poética está porventura na argúcia com que ao mesmo tempo que vincula a poesia à realidade, Aristóteles acentua a autonomia do reino estético perante as normas do mundo exterior . Depois de lembrar as normas de toda a actividade mimética, Aristóteles introduz a diferença específica que caracteriza a poesia: a expressão (lexis). O poeta é antes de tudo aquele que modela a sua história como uma figura que se depura; no sentido etimológico, o seu trabalho é de ficção."
(José Augusto Mourão)
..............................

IMAGEM: "Olhar Alado Azul-Lilás".
Pintura de Ana Luisa Kaminski

4 de abr de 2009

Inscrições Azuis...

Talvez eu esteja com saudades do céu, com saudades do mar. Desejando pegar o azul para tingir as mãos, como uma artista ou uma alienígena que foge à cor da pele para recriar-se, como uma fantasia. E me lembro também da mítica rosa azul, aquela só existe na imaginação dos poetas, embora jardineiros persistentes a inventem, tendendo sempre para o violeta ou o azul escuro. Nunca o azul turquesa, inatingível matiz que só se encontra em fundos de oceano, pedras raras, peixes exóticos, telas reais ou imaginárias, a vibração de um anjo rebelde, porque o turquesa é vibrante, erótico por natureza...beleza que contém a emergência de alguns estados de espírito. Rapsódia in blue.

(CÉLIA MUSILLI)
............................................

Vai, minha deliciosa tempestade, trabalha e tece, enquanto a semana tece em ti os seus dias, tentáculos de luxo e promessas, sob a fina urdidura de tuas vestes - minha potestade, meu álibi para almejar o que há de mais belo, meu fauno de mármore, minha vitória alada, meu oráculo anunciador de maravilhas, dize então a quem devo indagar quando voltas - aos deuses enfastiados em seus pedestais ou àquela estrada que se abre à nossa frente? Pois já não tenho o poder de inventar saudades, já não existem os dias sem ti (todos eles - imaginados ou vividos - nos pertencem), sóis e luas te levam e te trazem a salvo, sempre a salvo, meu amor, para que estejas em casa, quando o telefone tocar.

(LIVIA SOARES)
..............................................

Sentava-se no mar até seu vestido crescer
como crescem as papoulas vistas num rio.
Sentia os plânctons dourarem seu ventre.
Seu ventre como pedra ancorada
desejando chuvas.
Sentia-se embebida no sargaço
no cheiro intolerável das coisas restando.
Quanto mais a brisa vinha
mais descia seu corpo
de mil tentáculos nascendo
e se afogava.

(LUCIANA MARINHO)
........................

a voz que voa mais alto
e fala do que não sente
é som vazio

por outro lado
sussurros podem ser
grito
feito em fios

(ADELAIDE AMORIM)
.....................

20 de fev de 2009

Sonhos de Verão


"A arte da vida consiste em fazer da vida uma obra de arte." (MAHATMA GANDHI)

..............
Como saber se um sonho é "boa semente", ou mera ilusão, fantasia que se esvairá em fumaça?... Para descobrir, apenas semeando alguns!... sendo que seus frutos, ou flores, ou cores, dependem, quase sempre, dos cuidados, do carinho, da constância, do cultivo, do Amor. Só assim, alguns "sonhos" transformam-se em deslumbrante "realidade". Primeiro, florescem e fulguram em nosso íntimo... para depois, dar asas aos seres mais determinados, na concretização daquilo que, em algum momento passageiro, parece apenas um "devaneio"!
Num dia abençoado e mágico, vê-se, enfim, o sonho transformado em vida, em arte, em milagre!
(Ana Luisa Kaminski)
...............

IMAGEM: pintura de Boris Vallejo

16 de fev de 2009

conciliação


"Pedimos ao amor que nos dê um pedaço de vida verdadeira, de morte verdadeira. Não lhe pedimos a felicidade, nem o repouso, mas um instante de vida plena em que os contrários se fundam e vida e morte, tempo e eternidade, compactuem."
(OCTAVIO PAZ)

IMAGEM: "Olhar Lilás Polialado".
Pintura de Ana Luisa Kaminski

5 de jan de 2009

Ano Novo Azul


Que este Ano Novo
seja pleno e Azul
pintado de poesia
de alegria e paz
e colorido de amor!
Que nossas almas e vidas
sejam claras, luminosas
e nossos caminhos sãos
ricos de prazer, de doçura!
Que nossos pensamentos vibrem
na sintonia vital
buscando seiva e sol
amando terra e cor
prezando pedras e mares
sabendo o sabor do eterno...

Imagem: "Olhando o Infinito". Pintura de Ana Luisa Kaminski