Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

10 de ago de 2011

Caracóis Oníricos...


O mar, meus amigos, foi feito para a lua. O mesmo azul veste ambos, braço antigo. A mesma força anima aos dois espelhos, agita os átomos em comum, tudo se funde, é o mesmo longe, o mesmo escuro, o mesmo mistério, a mesma maresia. Por essa porta para universo dirigi meus passos. Na areia onde as estrelas caem em pó sobre as sandálias e as dunas. Como não pensar que tudo dança, tudo muda, tudo se transmuta e transporta? Ah, ficam lá passos passados, lágrimas, asas.

(Bernardino Guimarães)

..............................

Escolho no céu delicadas arquitecturas de sonhos, sedas que se tecem de azul em azul. O astro branco alumia cá em baixo as vagas, mar alto, mar chão, mar manso. Nas rochas joga-se o jogo, sal, tenazes de caranguejo, estrelas do mar da via láctea, cavalos marinhos em corrida. Dunas, duras, lunares de areia, geometria. O quadrante celeste engole o oceano, tudo veste o definitivo vestido azul escuro, noite. Vagueio só entre cabelos e algas. A princesa dorme, não há vaga, nem vagas que a acordem.

(Bernardino Guimarães)


................

"Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura."


(Friedrich Nietzsche)


..........................


*IMAGEM: "CARACÓIS ONÍRICOS".
PINTURA de ANA LUISA KAMINSKI

9 comentários:

A.S. disse...

Ah!... onde acaba a razão e começa a loucura? Essa pergunta continua sem resposta!...


Beijos,
AL

N. Barcelli disse...

Esta tua tela é belíssima.
Beijo.

Maü Cardoso disse...

Querida Analuka...
Caracóis dos cabelos, do mar e
dos sonhos sonhados por nós.
Cores e formas...
Movimento das almas.
Seu quadro é perfeito e
a energia que me chega, sublime.
Muito obrigado.
Um beijo muito grande,
Maü Cardoso.

Luciana Marinho disse...

linda pintura, analuz.
como sempre, você unifica mundos..

beijinho!!

O Profeta disse...

Sonhei com uma estrela do céu
Sonhei-a vivendo no meio do Mar
Sonhei com a verdade de uma palavra
Soletrei sete vezes a palavra amar

Neste sonho vi uma árvore triste
Pensei em sete coisas impossíveis de fazer
A primeira era voar com as nuvens
A ultima sobre as águas de um Lago correr

E vi pássaros de cores nunca vistas
Refulgentes lírios de ouro de lei
Apenas uma hortênsia me pareceu ali perdida
Vi palpitantes borboletas e o coração calei

Mágico beijo

Arnoldo Pimentel disse...

Belos e profundos textos, imagens lindas.Beijos

Analuka disse...

Agradeço pelas visitas e comentários, caríssimos amigos e amigas!!! Abraços alados azuis a todos!

N. Barcelli disse...

Passei para te desejar um bom fim de semana.
Beijo.

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Oi flor!
Nossa eu amei seu blog!!!
Vc é muito talentosa! Parabéns!!!
Beijinhos.

Flores e Luz.