Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

10 de ago de 2011

Caracóis Oníricos...


O mar, meus amigos, foi feito para a lua. O mesmo azul veste ambos, braço antigo. A mesma força anima aos dois espelhos, agita os átomos em comum, tudo se funde, é o mesmo longe, o mesmo escuro, o mesmo mistério, a mesma maresia. Por essa porta para universo dirigi meus passos. Na areia onde as estrelas caem em pó sobre as sandálias e as dunas. Como não pensar que tudo dança, tudo muda, tudo se transmuta e transporta? Ah, ficam lá passos passados, lágrimas, asas.

(Bernardino Guimarães)

..............................

Escolho no céu delicadas arquitecturas de sonhos, sedas que se tecem de azul em azul. O astro branco alumia cá em baixo as vagas, mar alto, mar chão, mar manso. Nas rochas joga-se o jogo, sal, tenazes de caranguejo, estrelas do mar da via láctea, cavalos marinhos em corrida. Dunas, duras, lunares de areia, geometria. O quadrante celeste engole o oceano, tudo veste o definitivo vestido azul escuro, noite. Vagueio só entre cabelos e algas. A princesa dorme, não há vaga, nem vagas que a acordem.

(Bernardino Guimarães)


................

"Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura."


(Friedrich Nietzsche)


..........................


*IMAGEM: "CARACÓIS ONÍRICOS".
PINTURA de ANA LUISA KAMINSKI

6 de ago de 2011

Viver cada segundo!...



E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...

(Vinícius de Moraes)



*Dedico esta postagem à aniversariante do dia, a Amada Lara Lunna!!!
Beijos no coração colorido-complexo-criativo, caríssima!

3 de ago de 2011

Amor Azul...


No teu amor por mim há uma rua que começa
Nem árvores nem casas existiam
antes que tu tivesses palavras
e todo eu fosse um coração para elas
Invento-te e o céu azula-se sobre esta
triste condição de ter de receber
dos choupos onde cantam
os impossíveis pássaros
a nova primavera
Tocam sinos e levantam vôo
todos os cuidados
Ó meu amor nem minha mãe
tinha assim um regaço
como este dia tem
E eu chego e sento-me ao lado
da primavera

(Ruy Belo)



* IMAGEM: ANA LUISA KAMINSKI pintando em seu atelier.