Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

4 de jun de 2013

Memória mágica



Existem lembranças que gostaríamos de apagar ou esquecer, e outras, tão lindas, fulgurantes e preciosas como jóias, que preferimos manter vivas para todo o sempre, preservar. Cada qual escolhe se prefere guardar o mel ou o fel do já vivido, preservar o vinho ou a amargura. Eu prefiro cuidar com carinho de cada lembrança linda e feliz, de cada memória mágica, em sua beleza iridescente, pois desejo tê-las comigo, ainda bem vívidas, no inverno da vida! Cada tempo, cada dia, cada fração ou parcela da existência traz sua própria dose de luz, prazer e aprendizado, e assim seguimos, vamos crescendo, vivendo e viajando. Entre pesos e levezas, lágrimas e asas, alegrias e tristezas, selecionamos o que queremos levar... mas ficam muitas marcas, desenhos, cicatrizes, memórias indeléveis das dores e prazeres vivenciados, os quais não podemos renegar. Dentre estes, precisaremos escolher quais receberão mais valor e atenção no fiar de nossos pensamentos, na tessitura de nossas emoções, na urdidura de nossa própria história.

(Ana Luisa Kaminski)

***

2 comentários:

Índigo disse...

Del recuerdo siempre guardo la belleza. En el día a día, cuesta más quedarse con la belleza porque el peso de las horas, a veces, doblega. Aun así, también en el presente lo intento. No siempre lo consigo, por supuesto.

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Oi flor!

Belas palavras como sempre...concordo com vc.
Amei a imagem tbm!
Beijinhos.

Flores e Luz.