Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

15 de mai de 2009

Entre Letras, Abismos e Asas...



"O sentido do texto é o acto da sua própria produção, a sua função é mostrar-se, manifestar-se, e ao fazê-lo manifestar-se a si e ao mundo, manifestar a possibilidade de libertá-lo."
(Ramos Rosa)
......................
"O cenário da criação literária é cercado de riscos, não apenas porque o que se pretende, ao que tudo indica, é ir além dos limites da linguagem, devassando-os, mas também por causa da natureza do afeto que, se não mobiliza essa criação, é mobilizado imprevisivelmente por ela."
(Ana Cecília de Carvalho)
......................
"A literatura é uma experiência do real, ao mesmo tempo que o fingimento da sua unidade inteligível. Uma verdade do real contra as suas formas socializadas: uma verdade "vréel", como dizia Kristeva, ou a própria forma como a realidade se desrealiza: a poesia é indiferente relativamente ao objecto do enunciado. Qual a relação existente entre imitação literária e realidade factual? O maior mérito da Poética está porventura na argúcia com que ao mesmo tempo que vincula a poesia à realidade, Aristóteles acentua a autonomia do reino estético perante as normas do mundo exterior . Depois de lembrar as normas de toda a actividade mimética, Aristóteles introduz a diferença específica que caracteriza a poesia: a expressão (lexis). O poeta é antes de tudo aquele que modela a sua história como uma figura que se depura; no sentido etimológico, o seu trabalho é de ficção."
(José Augusto Mourão)
..............................

IMAGEM: "Olhar Alado Azul-Lilás".
Pintura de Ana Luisa Kaminski

3 comentários:

Isaac G./Rvben Fventes disse...

Veo tus colores y mi mirada se fue.. A dónde? Quizá a buscarse ojos que le vean de cerca...
besos y saludos
tu amigo
isaac

Mar Arável disse...

A poesia tem um "desgraçado"

desígnio

não resolver coisa alguma

mas tão só levantar questões

luciana marinho disse...

...e lá vamos nós, precários, incompletos, lacunares, buscarmos o transbordamento de nós mesmos na poesia.

beijos, analuz!