Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

18 de fev de 2010

HORIZONTES AZUIS



HORIZONTE

Na vida encontro tantas coisa boas. O sol amanhecendo, escapulindo docemente e tingindo de dourado, rubi e turquesa a amplidão, a chuva que faz com que os passarinhos abram as asas, bico e peninhas para recebê-la em si, gorjeando de contentamento, além das plantas que parecem cantar a cada gota-dádiva recebida.
Poderia enumerar cada um destes milagres,todo momento, horas e dias, no entanto preciso te dizer que o que sempre me intriga na vida, além do constante maravilhar, é pensar o horizonte.
O fato perene é que de onde estiver e para onde voltar minha face, na direção de todos os pontos cardeais, sempre há um horizonte cheio de possibilidades, que parece esperar a partir do meu primeiro dia de vida. E ele está e sempre esteve lá.
Sei então que poderia caminhar em sua direção, de qualquer ponto, por toda a vida e quanto desejasse para, quem sabe um dia, conhecer uma lição prática de infinito. Estarei no ponto de partida, que é também o de chegada, que nos ensina que no dia em que seguirmos atrás do horizonte, princípio e fim se fundem, confundem e já não perduram mais quaisquer destes conceitos além do infinito, contínuum.
Talvez. É, quem sabe também seja este o conceito de vida. Talvez algum dia, sabe-se lá em que milênio, um "haja luz e houve luz" deu início a esta minha ou tua existência terrena para que sigamos perpetuamente, em linhas retas, abauladas, circulares, inteiras ou quebradas - não importa - vencendo ciclos, em direção ao horizonte telúrico, cósmico, sabe-se lá em que dimensão - já que são tantas - além das três que conseguimos compreender.
Sim, o horizonte é tão instigante quanto mágico, miraculoso. Minha definição é modesta diante de tanta grandeza. Faltam sinônimos, adjetivos. Mas ainda posso pensar, e para o pensamento não há limites. E por não ter limites, tanto para o pensar quanto para o desejo, me ocorre neste instante que de nada me valeria a imortalidade se não pudesse levar comigo certa dádiva maravilhosa. Pois, das incríveis mutações de nossa matéria, no surgir e desfazer-se, a cada ciclo, o único bem que poderemos manter na imortalidade são os sentimentos, o que pudermos sentir.
Destes, o amor é a benção absoluta. E é este que me serve, que espero, para o qual vivo. O amor, em todas suas manifestações. O supra-sumo da herança divina que há em cada um de nós e que, antes e depois que o fôlego da vida nos fugir, permanece e nos acompanha. Para sempre e sempre.
Interessante o vagar esgazeado dos pensamentos. Comecei no horizonte e terminei no amor. Como no infinito nada se finda, comecei do amor e...sigo para ver onde vai dar.

(LARA LUNNA)



Manuscrito del horizonte

A modo de un libro imaginario que pudiera escribirse con instantes, con notas inconexas y con imágenes, que quedasen así unidas en su propia elocuencia para enunciar algo intraducible: la vida que no sabe decirse buscándose en su horizonte.

Un manuscrito vivido, por lo que nos vive silenciosamente, que guardase la escritura de aquello por lo que vivimos. Un manuscrito que no existe, que siempre está por escribirse y reescribirse y que quedará por siempre incompleto. De páginas hechas de búsquedas y rastros. Una cartografía del asombro. El latido de una mirada que ve más allá de las superficies. Un manuscrito hecho de niebla y luces.

Un diálogo con el horizonte. Las semillas perdidas y escondidas en el desierto que aguardan la lluvia para germinar. El mar que desconoce su fuerza desgarrándose contra las rocas. Otra vida dibujada en una mirada inesperada que nos abre la existencia y los caminos. La aventura viva que somos y que habíamos olvidado, rescatada en la caricia de un alba que nos muestra la bahía que nos llama. El rastro unánime de lo que nos vivifica.

Un diálogo con el horizonte donde encontramos encarnada nuestra propia dignidad, nuestro mundo de posibilidades no vividas hondamente sentidas contra lo dado y clausurado.

(JUAN BAUTISTA MORÁN)



TEXTOS DE LARA LUNNA e JUAN BAUTISTA MORÁN
IMAGENS: PINTURAS de ANA LUISA KAMINSKI

11 comentários:

Juan Bautista Morán disse...

Querida Analuka:

Sí ese infinito está en el horizonte y con él hablamos en nuestra existencia. Como referencia, de ese diálogo que lo es también con nosotros mismos, renacemos libres, porque el horizonte es la capacidad de imaginar aquello que necesitamos y no encontramos cerca por diferentes motivos sociales. El horizonte con sus posiblidades en la que encontramos nuestro sitio.

Muchísimas gracias, a ti dama de azul, pintora de mundos interiores, capaz de hacer aflorar al lienzo un mundo tan rico.

Un abrazo con profundo afecto

Fada do Mar Suave disse...

Ana Luisa

Brilhante o texto de Lara Lunna. A sensibilidade e a delicadeza impressionam e emocionam. As imagens de sua arte que acompanha o texto são primorosas. Às vezes, ficamos bloqueados ao expressar sentimentos em relação a tanta grandeza de alma. Aqui é um santuário onde a parte mais íntima do coração, da alma se faz presente.
Com carinho e admiração da Fada do Mar Suave.

Carmen GarreZ disse...

Um brinde de arte e textos...Lara Lunna, totalmente conectada com a beleza de seu rico interior, transborda em sentimentos delicados, em belíssima declaração de amor a vida e ao amor...tuas telas, amada Ana Luisa sempre me encantam, são momentos de transcendência e enlevo que sinto quando as vejo !!! Parabéns à todos...muito amor !

Carmen GarreZ disse...

Manuscrito do Horizonte, é uma preciosidade, onde o poeta enconde seus segredos de forma delicada e profunda !!! belíssimo encontro de três talentosos artistas !!! sucesso sempre à todos !

Tania disse...

As palavras e imagens nos inundam de beleza, fazendo sentir o horizonte no coração.

Que lindo quando almas tão poéticas se encontram!

Muitos abraços

Patokata disse...

Hola Analuka, es un placer leer tus escritos y mirar tus hermosos cuadros.
Hermoso tu azul!!
Tengo un obsequio para tí en mi blog http://mismusaslocas.blogspot.com, espero que lo aceptes y lo pases a buscar.

Te dejo un abrazo azul

Serpentina EsKARLAte disse...

Ana linda, que alegria receber sua visita! Obrigada pelo carinho!
Para mim é sempre um prazer entrar no seu blog e ver suas cores tão lindas, que me lembram Chagall (os violinos também).
Um beijo, minha amiga iluminada!

Luciana Marinho disse...

me sinto tomada pela leveza e pela densidade da vida expandida nessas palavras-casas de sentimentos. belíssimos textos!

beijo saudoso.

Fada do Mar Suave disse...

SAUDADE

na solidão na penumbra do amanhecer.
Via você na noite, nas estrelas, nos planetas,
nos mares, no brilho do sol e no anoitecer.


Via você no ontem, no hoje, no amanhã...
Mas não via você no momento.

Que saudade...

(Mário Quintana)

Passando para sentir a beleza de seu canto. Com amor da Fada do Mar Suave.

Thata disse...

Que lindas as pinturas, os textos também são encantadores, mas as pinturas acabam falando que por si só... parabéns pelo trabalho, amei as pinturas, são quase que 3d!

Spirit of Fire disse...

Os quadros são muitíssimo especiais, aprecio arte em tal estilo. Parabéns pelo belíssimo blog. Uma pena que não há como registar-se para seguimento.