Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

26 de jun de 2010

Cinzas e cintilâncias do cotidiano...

Despertamos para a Vida que pulsa, que vibra, que vaza, que canta, a cada minuto e momento!!!... e adormecemos, às vezes, cobertos por cinzas do cotidiano, que obscurecem o colorido exuberante e vivaz dos instantes, quando sorvidos com intensidade, vontade, paixão!... Talvez, tenhamos que adormecer e despertar, tantas vezes, durante a trajetória vital, simplesmente para não esquecer de nossa fragilidade e força, para nos relembrar, todos os dias e horas, da finitude infinda de tal tessitura: dos fios que nos bordam, nos envolvem e enlaçam, das linhas que nos desenham, conduzem, entrelaçam, da urdidura incessante e mirabolante da história. Talvez, precisemos despertar e adormecer, sonhar, para que sejam reinventadas as cores e esperanças, as cintilâncias que entrevemos nas frestas do dia-a-dia banal...
Assim, vamos vislumbrando as fulgurações do afeto, do amor e da arte, nas aberturas das noites, das manhãs, dos meses, na travessia dos séculos, no girar do mundo, dos astros, das constelações... Quem sabe, nos arrisquemos aos vôos e travessias, e viajemos, à deriva, em alguns momentos venturosos de luminosidade azul-lilás, entremeados de turquesa, alizarim, violeta, e respingados de verde ou coral, em que possamos sentir a alma bailando aos quatro ventos, na direção deste saber insabido e volátil, mas profundo, que nos move, nos instiga, impulsiona!... Contudo, entretanto, todavia... para isso precisamos navegar com coragem, entre cinzas e cintilâncias, adormecer e despertar, alimentar as esperanças, exercitar as asas, todas as noites, todas as horas, todos os dias!!!


TEXTO DE ANA LUISA KAMINSKI
FOTOS: ATELIER AZUL-LILÁS DE LUNNA E LUKKA

60 comentários:

Luciana Marinho disse...

obrigada por um "bom dia" tão iluminado! as fotografias estão lindas. a luz penetrando na placidez do ambiente me lembrou um verso de cecília.. "o tempo despovoado e profundo persiste". a reflexão de teu texto, tão bem abraçada pelas fotos, me diz serenidade e amor à vida.

beijinho, analuz!

Luciana Marinho disse...

...e fico admirando a segunda foto. aquele pássaro solto no ar junto ao relógio me remete a um mundo antigo, fabuloso. muita linda imagem. bj!

Natty disse...

Disse tudo ao citar essa frase.

"Talvez, tenhamos que adormecer e despertar, tantas vezes, durante a trajetória vital, simplesmente para não esquecer do quanto somos potentes e frágeis."

Como sempre, cada palavra de Ana Kaminski é mais sábia que a outra.

Abraços alados!

Fada do Mar Suave disse...

Ana
Adorei seu texto com este jogo de palavras impulsionando a vida. Um despertar do cotidiano para vivermos com paixão e sabedoria. Aqui alçamos vôos para além mundo. As telas são belas e suaves. Um prazer estar neste espaço azul cheio de luz.
Com muito carinho da Fada do Mar Suave.

Hyali disse...

Como sempre, tocando o coração com uma maestria inigualável!
Um lugar maravilhoso para poder se inspirar... bjos

Sônia Márcia disse...

Suaves e viajantes as palavras sobre a beleza do cotidiano, o as vezes desperceber da magia de um simples jogar de luzes sobre o nosso lar do dia a dia, seja num momento impecável como este das fotos, seja em algum de bagunça espalhada, que também despertará lembranças mil...
Abraço, boa semana!

flaviopettinichiarte disse...

Querida Artista , azul-liláz...
Como sempre tuas palavras entoam cores e imperceptíveis vibrações espirituais, deixei-me levar pelos cantos e cânticos do teu espaço de criação;deixei que as contradições amalgamassem cada instante esparso e desta maneira o Todo vital fosse só uma imagem aonde a serenidade ocupa a infindável sensação de estar plenamente vivos.
Obrigado por tão belo momento e por tão sublime entrega .
Não há espaço nem geográfico território onde a arte não se encontre, e nós criaturas divinas escolhidas para isto sabemos quanto é o sacrifício, mas muito mais vivenciamos a magnitude do prazer.
Obrigado por estar ai.
Flavio Pettinichi – Junho de 2010.

Frederico Lira disse...

Obrigado pela oportunidade de perceber quem é essa artista talentosa e de alma evoluída. Obrigado por ser um presente na minha vida.
Parabéns

Frederico Lira disse...

Ana obrigado por suas tocantes e reflexivas palavras. Além de talentosa pintora e uma poeta primorosa.
Obrigado pela oportunidade de conhecer sua alma.

Vagner Baldasso disse...

simplesmente o máximooo... quero muito algo assim para mim e meus gatos tb hahahaha... infinitamente perfeito

Lou Albergaria disse...

Adorada Ana Azul,

Mais uma vez nos extasia com um texto tão singelo, delicado, puro.
Amei mais uma vez, como sempre. E a sua casa expressa exatamente essa serenidade e harmonia. É por demais aconchegante, assim como deve ser sua ALMA.
Tomo a liberdade de deixar aqui pra você os últimos parágrafos com os quais encerrei o meu livro PESSOAS E ESQUINAS - meu primeiro livro de poesias-. Tem muito a ver com o seu texto. Em minha opinião, até se complementam.

(...)Há quem diga que tempo é uma mera abstração; pena que meus primeiros cabelos brancos e rugas de expressão não saibam disso, aliás mostram-me todos os dias que tempo é algo bastante concreto e que passa...
Como passa! Às vezes até nos atropela e saímos rolando, deslizando, levando-nos a dezenas ou centenas de capotagens, e muitas das vezes, com quase perda total de nós mesmos.
Entretanto, o grande barato de VIVER, sob a ótica dos meus múltiplos prismas de caleidoscópio ambulante, é que cada acidente de percurso também é uma possibilidade de ressurreição.
Para mim, o sentido da Vida está nesse constante e ininterrupto processo de flagelo e auto-regeneração. Inúmeras vezes nos ferem, nos “cortam”; outras tantas, nós mesmos, por razões que fogem ao nosso controle, também nos mutilamos e machucamos, mas o Ser Vivo carrega dentro de si uma capacidade de auto-regeneração tão grande e infinita que vale a pena continuar vivendo sem tanta preocupação com as redes de proteção ou cabos de aço mais resistentes que nos impeçam de cair; pois tenho aprendido ao longo dessa 'vida louca vida', que, muitas vezes, é na queda que nossas asas começam a se formar.
Aí, é só aprender a usá-las para voar cada vez mais alto, mas sem perder nunca de vista o horizonte da integração, da unicidade, da harmonia, da paz na Terra e no espírito e, sobretudo, do sentimento de que todos e tudo que nos rodeia e permeia somos apenas UM.
O sentido exato e supremo da Vida, na minha compreensão, só se apresenta e se mostra quando nos unimos, nos unificamos.
Sozinhos, somos apenas uma poeira no vento, mas quando juntos, SOMOS O UNIVERSO INTEIRO.



Fique sempre com Deus e nas ASAS DE SUAS BORBOLETAS ENCANTADAS, Minha doce e querida, Ana Azul...

BEIJOS em todos os tons de azul e violeta, os meus preferidos...

da amiga,

Lu

Anônimo disse...

Belas imagens, belas palavras, belos voos. Voos que ultrapassam os limites do registro da arte, que imprime frescor no viver, e em bem viver.

Beijo com carinho.
Dragonfly.

Outono disse...

Que a paz ilumine cada vez mais esse lugar tão abençoado minha querida amiga!
Aliás, gostei muito do fundo musical!

Ah sim, infelizmente muitas criaturinhas do nosso planeta deixam o cotidiano ofuscado...perdem o brilho da beleza que está na simplicidade.

Todas essas figuras emanam uma vibração no blog, e tais vibrações formam uma sinfonia, que só é sentida afora os 5 sentidos...

As mãos, instrumentos divinos que traduzem todo brilho celestial para as telas, matiz que vibra no universo.
Que o azul celeste as envolva renovando cada vez mais todo esse talento!!!
Obrigada pelo convite, toda vez que visito teu blog é uma experiência mais que agradável!!

Ósculos!
Paz

lau siqueira disse...

Tudo aqui é só beleza...

Sr do Vale disse...

Ana, pintastes com letras da mesma forma que pintas com tinta.

Neila Bianchin disse...

Amiga, obrigada pelo momento de intensa beleza que encontrei aqui.Tenho plena certeza que desfrutar de sua companhia durante algumas horas por semana é um privilégio maravilhoso. Beijo

Herbert Herzog disse...

"precisamos navegar com coragem..."
É ela que nos arranca das cinzas, cansaço e opressão.
Adorei sua reflexão, querida amiga.
Se pela sua arte podemos ver sua alma, quão bela ela é!!!
Afeto e carinho, Ana.

Mana nova disse...

sempre lindo.. tudo...

Iván disse...

Quero te dar um presente: é um poema meu e eu mesmo fiz a traduçao. Beijos para você.


Os sapatos


Quase não lembro o rosto moreno

[do rapaz

O visitávamos com um primo

[para consulta-lhe

por um computador

(éramos uns meninos)

Talvez o importunamos, e ainda

[que falou com o prazer

de quem come laranjas,

só permanece em minha memória

[a imagem de seus sapatos.

Não os que levava postos,

[senão outros

que em sua habitacao ocupavam

[um pedestal imaginario.

Só foi um segundo antes

[de que os ocultasse

debaixo dum lençol...

[como se fossem um pecado!

Eram reluzentes, e como estavam

[na altura de seus olhos,

presumi que ele levava

[horas contemplando.

Por isso e nada mais senti inveja.

Não pelos sapatos, que algum dia

[estariam estragados

como agora minhas palavras

[ou minhas esperanças.

Senão pela olhada ardente,

[refletindo seu triunfo

qual espelho da eternidade.

Cassius Martins disse...

Nossas vidas se resumem em 24 horas.
Temos o tempo que dormimos e o tempo que estamos acordados.
Ontem e amanhã não valem.
Quando acordamos,temos uma escolha,ou vemos o mundo cinza ou colorido.
Mesmo nos dias cinzas é melhor colocar cores nas nossas vidas.
É nosso dever,aproveitarmos essas poucas horas que estamos acordados,para sermos felizes e fazer outras pessoas felizes.
Senão a vida fica escura e perde o sentido.
"É melhor ser alegre que ser triste"
Pode parecer difícil,mas é só tentar,olhar para o céu e agradecer,porque num momento,o céu pode estar cinza,mas o azul existe.

Carlos Bruni disse...

E pensar que muitas pessoas têm o cotidiano como uma rotina que os esmaga dia após dia.
Cotidiano é apenas e tão somente uma forma de viver que, sem bem lida, nos dá ânimo para buscar a mesma luz no outro dia, e no outro, e no outro... E que não se ouse chamar de rotina.
Belas palavras, as suas! Belas reflexões!

yuri assis disse...

seus textos são tão bons de ouvir!

Katzen Girl disse...

Tudo está muito lindo.O texto, as imagens, tudo.
;)

Anônimo disse...

Me sinto leve com suas palavras,maravilhoso texto e música!beijos querida amiga iluminada.
Pollyanna

Anônimo disse...

o céu cinza quase preto é azul obrigada, :)
beijos

Lara Lunna disse...

Quando conheci você, Frau Kaminsky, não sabia no quê mais me embriagar: se na beleza das tuas telas, se nas cores que distribuías, quase como se pintasse pequenas pegadas de borboleta ao redor, leves, com tanta luz e cor ou nas suas palavras, a tua mente brilhante, amorosa, ardente e pura.
Surpreendeu-me a forma como vês a vida e até lhe disse um dia: és a primeira pessoa para quem pergunto "como está você, como tem passado" e que não me lançou na testa uma carreta de lamentos, palavras permeadas de pessimismo e auto comiseração ou apenas um mau humorzinho.
Você disse o quanto acreditava no futuro, nas pessoas e o quanto era feliz, pra lá de 100% (se isso fosse humanamente possível) Mas para ti é possível, para todos, desde que de fato nos sintamos assim.
Pensei ter encontrado uma Pollyana-loira. Até brinquei com a palavra: poli-Ana (bem conheces o múltiplo sentido) e, o tempo que é senhor da vida e da verdade, mostrou a verdade das tuas palavras doces, esperançosas e otimistas.
Eu digo sempre agora e você ri: lançarás uma corrente do bem, uma linha de pensamento libertador que se chamará, na minha cabeça: corrente Kaminsky-ana.
Minha querida Frau: tua mente brilha! És rara e luminosa. Abençoado seja o dia do teu nascimento!

Leila Andrade disse...

O que dorme em nós nos transforma e nos prepara para o dia sempre novo. Um ciclo vital, não há vida sem sonhos.
Beijo, querida.
Venha ver nossa leva de aniversário.
Bjo

Lunna Guedes disse...

Que delícia de texto esse seu minha cara. Uma delícia singular e as fotos dos contornos dos olhares. Adorei cada detalhe, fui me perdendo e me encontrando, me refazendo entre as nuances do despertar e a saudade que sinto da madrugada que é meu lar. Me sinto meio fora de lugar durante o dia, mas ele chama por mim numa insistência que beira o insuportável.
Só me resta emprestar um verso de Cecília e dizer "e roda a melancolia e seu interminável fuso".
Bacio carissima

célia musilli disse...

Ana,só hoje consegui vir aqui, estive num período agitado de trabalho.Mas valeu! Adorei todas as luzes e cintilâncias das fotos e seu texto lindo! Um beijo!!! Grata por se lembrar de mim!

Mar Arável disse...

Voar é preciso

Grupos Artforum Brasil UNIFUTURO disse...

"Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade, mais do que inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo estará perdido". (Charles Chaplin)

Planeta, 01 de julho de 2010 - XXI

Caríssima Ana Luisa Azul-lilás,
Minhas saudações a você, que sabe sobre a delicadeza dos ossos das borboletas...

Sua inteligência, afeição e doçura são algumas de suas belas e sutis virtudes. Ter conhecido sua arte, poesia e estilísticas filosóficas motivaram-me a refletir mais sobre o significado e o significante das asas das borboletas, que sob a luz e arte do olhar, viram brilhantes, belas obras da natureza, e ainda podem refletir a luz dos que sabem ler as cartas da alma, do coração e da espiritualidade como você, que tem a sabedoria de expressar sua arte, poesia, e sua filosofia.

Agradeço-lhe, com ternura, o convite para visitar seu lindo espaço cultural, todo vestido de azuis, tons cinza, violetas, cenas do cotidiano em arte, e para ouvir sons na clave de sol de uma cela sinfonia que se escuta na sua sala de arte, onde estão reflexos de luzes e vitrais, doces lembranças, e um mundo de sonhos registrados pela fotografia de seu momento.

Sua poética "Cinzas e cintilâncias do cotidiano", é peça - monólogo e diálogo sobre a pessoa humana, diante de sua busca constante da chave que abre a porta de seu Eu Profundo. E às vezes basta uma sala onde está o código e segredo que ensinam como renascer, como reinventar a vida e cultivar novos sonhos, através do pensamento, da poesia, da estética da vida.

Desejo que sua literatura continue indo aos quatro cantos do planeta e conquistando novos espaços, pois suas poéticas azuis e violetas voam como pássaros e borboletas...

Sua pessoa de alma azul contribui para a interação de pessoas, na perspectiva da construção de novo universo possível, a cada manhã, após as madrugadas largas que prometeram o sol. E ele é nosso Astro - Rei, somos filhas do Sol...

E sobre os tons em cinza... eles nos deixam mais sensíveis para refletirmos sobre as cores da vida, os tons da essencialidade humana e para ouvirmos os sons da ode que está sendo cantada no mundo, e para a qual nós estamos contribuindo: A busca dos enigmas e paradigmas da arte da vida, da arte da alma, da arte do amor.

Como pensadora suas poéticas e suas filosóficas tornaram-se referências importantes para nós, seus amigos da Artforum Brasil Unifuturo, e para mim, através das artes e estética da vida!

A Você toda Paz, todo Amor, toda Arte, Poesia e Felicidade plena!

Beijos azuis de paz de luzes,
Ana Felix Garjan
http://universodasartes-artforumcultural.blogspot.com
...

Ana Felix Garjan disse...

"Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade, mais do que inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo estará perdido". (Charles Chaplin)

Planeta, 01 de julho de 2010 - XXI

Caríssima Ana Luisa Azul-lilás,
Minhas saudações a você, que sabe sobre a delicadeza dos ossos das borboletas...

Sua inteligência, afeição e doçura são algumas de suas belas e sutis virtudes. Ter conhecido sua arte, poesia e estilísticas filosóficas motivaram-me a refletir mais sobre o significado e o significante das asas das borboletas, que sob a luz e arte do olhar, viram brilhantes, belas obras da natureza, e ainda podem refletir a luz dos que sabem ler as cartas da alma, do coração e da espiritualidade como você, que tem a sabedoria de expressar sua arte, poesia, e sua filosofia.

Agradeço-lhe, com ternura, o convite para visitar seu lindo espaço cultural, todo vestido de azuis, tons cinza, violetas, cenas do cotidiano em arte, e para ouvir sons na clave de sol de uma cela sinfonia que se escuta na sua sala de arte, onde estão reflexos de luzes e vitrais, doces lembranças, e um mundo de sonhos registrados pela fotografia de seu momento.

Sua poética "Cinzas e cintilâncias do cotidiano", é peça - monólogo e diálogo sobre a pessoa humana, diante de sua busca constante da chave que abre a porta de seu Eu Profundo. E às vezes basta uma sala onde está o código e segredo que ensinam como renascer, como reinventar a vida e cultivar novos sonhos, através do pensamento, da poesia, da estética da vida.

Desejo que sua literatura continue indo aos quatro cantos do planeta e conquistando novos espaços, pois suas poéticas azuis e violetas voam como pássaros e borboletas...

Sua pessoa de alma azul contribui para a interação de pessoas, na perspectiva da construção de novo universo possível, a cada manhã, após as madrugadas largas que prometeram o sol. E ele é nosso Astro - Rei somos filhas do Sol...

E sobre os tons em cinza... eles nos deixam mais sensíveis para refletirmos sobre as cores da vida, os tons da essencialidade humana e para ouvirmos os sons da ode que está sendo cantada no mundo, e para a qual nós estamos contribuindo: A busca dos enigmas e paradigmas da arte da vida, da arte da alma, da arte do amor.

Como pensadora, suas poéticas e suas filosóficas tornaram-se referências importantes para nós, seus amigos da Artforum Brasil Unifuturo, e para mim, através das artes e estética da vida!

A Você toda Paz, todo Amor, toda Arte, Poesia e Felicidade plena!

Beijos azuis de paz de luzes,
Ana Felix Garjan
http://universodasartes-artforumcultural.blogspot.com

Serpentina EsKARLAte disse...

Tão lindos o texto e as imagens! E sua criação acaba de encher meu dia, tão tumultuado, de poesia e encanto.
Muchas gracias, dulzura!
Un beso!

Chico de Assis disse...

Belas e sábias palávras.
Belas imágens!
O que é a vida senão um renascer constante. A luta muitas vêzes desleal en tre os seres humanos ( viventes ).
mesmo assim;
os dias nascem,
morrem
as noites seurgem
e depois dão lugar aos dias.
Essa fênix que existirá enquanto existir o universo.

Conforme pediu-me aquí estou.

- Parabéns, lindo tudo isso aquí!

Concha Rousia disse...

...passarei com tempo querida, o teu espaço é demasiado lindo, demasiado amplo e formoso para visitar num tempo pequeno, adoro voar neste teu jardim de cores infinitamente belas... adoro, beijos azuis, Concha.

Fabrício Brandão disse...

Querida,

Teu texto é um tributo à sensibilidade. Fico imaginando as sensações ali descritas em meio ao registro fotográfico do seu lar. Tal conjunção é matéria-prima viva e atuante de seu ofício enquanto artista.

Beijos sempre poéticos!

dade amorim disse...

Sempre há luz em seus textos, sempre nos iluminam, mostram luz e sombra que se alternam - e como você diz tão bem, "a finitude infinita". Vale por uma meditação, Ana.

Um beijo afetuoso.

Ribeiro Halves disse...

nos en-cantos do teu canto... o silêncio povoado de cores: poesia do azul em voo.

Sérgio Luyz Rocha disse...

Essa luz outonal...a tranquilidade, a disposição dos móveis e objetos...o gato sossegado no sofá...o olhar de quem flagrou um instante de imobilidade...ou o que poderíamos chamar de atemporalidade.
Entrasse um artista por aquela porta, entrasse um padre, uma prostituta, uma criança a cata de brinquedos, um velho buscando silêncio, amantes pressurosos buscando um canto (o sofá?), entrassem os sonhos de quem nunca se viu à luz de um outono, não importa...a vida é a mesma e tão sem igual...

Ana, fiquei muito feliz com as suas palavras lá na minha "trama"...muito mesmo.

beijabraços!

cesarmborges disse...

Texto de quem pinta é assim: cheio de cor.
Parabéns pelos tons e toques aqui traçados, Ana.

Um abraço,

César

Sindri disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Natasha disse...

Suavidade e fogo, alegria e intensidade....minha querida Ana Luisa tudo o que se produz na sua alma e vaza transborda para nós é singularmente humano!!!
Beijos
Nath

Soluz disse...

É quarto, é sala, é ambiente.
Recanto prum livro assim,
tonal de anil ou carmim,
vivendo tão livre na gente.

Prof. Nardella Dellova בן עבדיה disse...

Minha querida Ana Luisa, de fato seu texto-poesia faz transparecer pelos poros e tessituras a virtude de quem vê e enxerga, de quem ouve e escuta e, sobretudo, de quem experiencia cada minuto.
A vida deve ser vivida, mas, como revela seu texto, às vezes, a vida fica sob cinzas cotidianas.
O vôo, então, não pode ser tão técnico, tão controlável ou "amarrado" a linhas. É preciso deixar o vento e a brisa incidir sobre´e mudar percursos - por quê não?
Carpe Diem não é uma regra a ser seguida, mas um estado a ser observado ao longo da caminhada...
Beijos
Pietro N-Dellova

Inanna Demian disse...

Minha ANA AZUL Linda,

Tenho um Selo pra você lá em meu blog!!!

Com todo carinho!

Beijo,

Lou Albergaria

Este é um outro blog que tenho além dos que já conhece.

Ainda não desisti de ter uma tela sua. É só uma mera questão de tempo e orçamento.

PAZ, LUZ e HARMONIA SEMPRE!!!

vinicius disse...

engraçado como esse texto quase me da uma esperança sobre a vida.
quase...

Patokata disse...

Hermoso tu sitio como siempre!
Es un mar de belleza tus pinturas y tus letras.
Artista completa, es un placer pasar por tu azul de belleza!!
Gracias por visitarme, volveré!!

Hasta prontito!!

Mar Arável disse...

Sempre um belo momento

espreitar a sua janela

Bj

Lola disse...

Percebo pelo azul que preferes as asas. Ninguém alça voo com as costas coberta de cinzas. Siga assim.. céu imenso, que é muito bonito. Abraços!

M.PAUMARCH disse...

Passo a saludar-te, amiga meva.
Estic content de tenir amics a Brasil (Tu, Nelson. Sr. do Vale, Cristina, i més...)
Estic impacinet per veure alguna obra meva en el teu bloc i fer més amics brasilers.

Um fort abraço catalâo.

Salvador.

Vera Basile disse...

Exercitar as asas e alimentar as esperanças! Lindo demais Ana!!!
Beijos

AC disse...

Adorei vir aqui, onde vislumbrei um pouco da sua harmonia...

Bjs

Mar Arável disse...

Tão só

sonhar

recriar os sonhos

livia soares disse...

Olá, querida.
Que bom rever seu blog.
Gostei muito do atelier...
Um abraço.

Cássio Amaral disse...

Uma hora eu e Maeles vamos pintar aí na Ilha da Magia pra te conhecer.

Abraço e muita luz.

livia soares disse...

Well, Dear,
ando a alimentar esperanças de vê-la de volta ao blog, de ver as novas belezas que você anda tramando...
Um abraço.

celia musilli disse...

Texto maravilhoso Ana e que vai de encontro a um momento meu...Um beijo!!! saudades!

Luciana Marinho disse...

por onde voa analuz e seus azuis?

Ana Felix Garjan disse...

Brasil, 20 de agosto de 2010
Cara e querida Ana Luisa,

Parabéns pelo seu belo dia
sagrado de aniversário!

Felicidade Plena em todos
os dias de sua existência!

Luzes, paz, amor, felicidade!

Abraços e beijos azuis,

Ana Felix Garjan

Analuka disse...

Saudades...