Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

22 de dez de 2006

vôos

...Alguns dias fora do ar, no ar
voando, sonhando, mergulhando
no mar...

21 de dez de 2006

cristal e pó



Utopia: um mundo límpido e luminoso, leve e cristalino, livre de violência e dor, onde imperem paz, alegria, amor...

Entretanto...

de luzes e sombras somos
tecidos, e feitos
de lágrimas e risos,
conteúdo e cortornos
inacabados cristais
misturam-se em nós

mágica, mel e medo
água, terra e estrelas
explosões e silêncio
coragem, ferida, segredo
prazer, asas, agonia
somos plenitude e pó
de poesia...


17 de dez de 2006

alma cristalina

Numa noite de chuva, num dia de verão, re-descubro-me, colorida, vibrante e cristalina...

15 de dez de 2006

convergências



Mágicos pontos de confluência em que almas-aladas-amantes se encontram e bailam, cintilantes, no cosmos, além dos limites do espaço-tempo, em fulgurante e suntuosa comunhão!...

Belos são os fios invisíveis do afeto, eternizados em ternura!...

Lindo viver, nestes momentos de rara afinação, suave sintonia e loucura!...

Líriko prazer, nos instantes de pouso (ou vôos?): pontos de convergência entre diversidade, energia e doçura!...

14 de dez de 2006

conexões

...ponto de confluências e conexões...

13 de dez de 2006

sintonias

Ás vezes, energias e caminhos magicamente CON-FLUEM...

12 de dez de 2006

vislumbres

Através ou por trás
dos véus, dos vãos
entre as frestas e fitas
dos olhares e fatos
nas entrelinhas suaves
dos ditos e não-ditos
nos interstícios neutros
nos limiares noturnos
vislumbramos sonhos
inventamos caminhos
e rios, risos e mares
entrevemos estrelas
matizamos espelhos
libertamos azuis
almas, asas, amores...

11 de dez de 2006

entrevendo

No mais das vezes, dom e veneno estão naquilo que não vemos...

10 de dez de 2006

portais


Nos atravessamentos, viagens
entre sonho e real
redescubro
os portais encantados
travessos
entre ausência e presença,
invento
novos pontos de encontro:
alquimias...

8 de dez de 2006

lágrimas

As lágrimas derretem os restos da dor...

nonsense

Tudo é um pouco cômico
tudo é um tanto trágico
tudo é bastante mágico...

Numa manhã molhada
até o nonsense parece
pleno de sentidos...

A alma transborda
lágrimas ferventes
que derretem a derradeira dor

E o coração?...

ainda acredita nas nuvens
nas luas e estrelas, no amor ...




6 de dez de 2006

Interstícios


As imagens-portais abrem a entrada para um mundo surreal, onde deslocamentos espaciais, mudanças de escala, transfigurações e analogias criam uma atmosfera onírica que encanta e assusta, espanta e atrai os olhares distraídos ou interessados que sobre elas pousam. As telas-veladuras são aberturas, frestas ou fissuras para mundos imaginados, reais e inventados, onde nada é apenas rachadura ou vão... Os interstícios, fendas e fissuras abertos pelas imagens pintadas provocam os olhares e instigam os amantes da arte e dos sonhos a adentrarem nestes tempos-espaços revelados através de tintas e pincéis, que velam-desvelam os vazios e plenos de sentido de nossas almas inquietas e desejantes.

Visite também: www.luisakaminski.nafoto.net


Imagem: "Onírico Orchis" , pintura de Ana Luisa Kaminski