Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

23 de mar de 2011

Pianos, palavras e pássaros...



Semelhante à imóvel
transparência
à inesgotável face
à pedra larga onde o olhar repousa

Água sombra e a figura
azul quase um jardim por sob a sombra a iminência viva aérea
de uma palavra suspensa
na folhagem

Semelhante ao disperso ao ínfimo chama-se agora aqui o sono da erva a ligeireza livre
a nuvem sobre a página.



(Antonio Ramos Rosa)


Agora escrevo pássaros.
Não os vejo chegar, não escolho,
de repente estão aí,
um bando de palavras
a pousar
uma
por
uma
nos arames da página,
entre chilreios e bicadas, chuva de asas,
e eu sem pão para dar, tão somente
deixo-os vir. Talvez
seja isto uma árvore,

ou quem sabe,
o amor.


(Julio Cortázar)


mergulha nos sonhos
ou um lema pode ser teu alimento
(as árvores são as suas raízes
e o vento é o vento)

confia no teu coração
se os mares se incendeiam
(e vive pelo amor
embora as estrelas para trás andem)

honra o passado
mas acolhe o futuro
(e esgota no bailado
deste casamento a tua morte)

não te importes com o mundo
com quem faz a paz e a guerra
(pois deus gosta de raparigas
e do amanhã e da terra)


(E. E. Cummings)


A SOLIDÃO E SUA PORTA

Quando nada mais resistir que valha
A pena de viver e a dor de amar,
Quando nada mais interessar,
Nem o torpor do sono que se espalha;
Quando, pelo desuso da navalha,
A barba livremente caminhar
E até Deus em silêncio se afastar,
Deixando-te sozinho na batalha,
A arquitetar na sombra a despedida
Do mundo que te foi contraditório,
Lembra-te que afinal te resta a vida
Com tudo o que é insolvente e provisório,
E de que ainda tens uma saída:
Entrar no acaso e amar o transitório.


[Carlos Pena Filho]



Este homem que pensou
com uma pedra na mão
tranformá-la num pão
tranformá-la num beijo

Este homem que parou
no meio da sua vida
e se sentiu mais leve
que a sua própria sombra...


(Antonio Ramos Rosa)

11 comentários:

livia soares disse...

Querida Ana,
estou de volta.
Fico feliz em reencontrá-la.
Descobri que tem mais dois blogs!
Visitarei os três...
Um abraço.

Van disse...

lindos poemas, belas imagens!

Obrigada por colocar meu link na sua lista de blogs, o seu também estará no meu Ana Luiza.

Sou encantada com a delicadeza e beleza da sua arte

Beijos!

Jacinta Dantas disse...

Bom encontrar bonitos poemas, agora, no finalzinho da tarde.
Grande abraço

Anna Lu disse...

Ana, querida

Depois de um tempo, estou retornando. Adorei visitar esse espaço bonito de sensibilidade e Arte. Parabéns por suas belas inspirações

beijos poéticos

Luciana Marinho disse...

estou iluminada de poesia!
e que alegria encontrar nessa constelação o amado carlos pena filho...
nem vou destacar versos, pois o post como um todo é acordo da sensibilidade com a beleza.

beijos!
beijos!

Vera Basile disse...

Oi Ana!
Linda as imagens e os poemas...amei todos, mas retiro esse trecho q me tocou profundamente: "...Lembra-te que afinal te resta a vida
Com tudo o que é insolvente e provisório,
E de que ainda tens uma saída:
Entrar no acaso e amar o transitório.[Carlos Pena Filho]"
Lindo demais!!!!
Mil bjs e um ótimo dia!! :)

Maü Cardoso disse...

Querida Analuka...
Suas artes pintadas, seus pianos,
os textos que mesclam suas
idéias... Tudo muito bonito e
especial. Acredite, me sinto muito
bem aqui, nesse seu canto de cor,
luz e poesia.
Um beijo muito grande,
Maü Cardoso.

Analuka disse...

Grata pelo carinho, amigos queridos! Bom partilhar estes vôos, estes sonhos, estes azuis, estas aventuras poéticas com vocês. Abraços e beijos alados, piano, piano , pianíssimo...

LuH disse...

Quanta delicadeza!

Coisa boa ter vindo aqui hoje

A analogia de palavras e pássaros me encantou!
Simplicidade é a coisa mais fina que existe!

Boa escolha!

Abç carinhoso!

Mar Arável disse...

Tudo muito belo

em tons de azul

Bjs

Iva Tai disse...

toda a magia de tua alma refletida em encantos de palavras e imagens, colhidos por ti nos jardins de outras almas tão poéticas e encantadoras como a tua