Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

23 de jan de 2006

paradoxo


Estranha (e insólita, assimétrica, inquietante) combinação entre ex-centricidade e con-centração... Neste ponto de confusão, estou eu... Trilha de incertezas, a caminho do desconhecido...

4 comentários:

Anônimo disse...

Belíssima, eu diria... essa estranheza... esta confusão nada confusa... esse caminho (des)conhecido!

Anônimo disse...

...do caos nasce a criação...

Anônimo disse...

A palavra cruzou-se com o desejo e nascida assim se fez poesia.Tudo permeado de afetos ,pondo cores em profusão para que a borboleta gire.Bastaria girar em si mesma para alçar o vôo desejante ...basta que alguem sopre,cante ou embale a menina que sairá das idades da crisálida,única meeira da vida que pousa e re-pousa em campos que tanto significam...há sabores,sumos,leite humanopara cada olho que nos vê sem se ver,cego para si mesmo,audivel para todos,inominável para muitos...aqueles que ao dizer,emudecem. Seus poemas conseguem trazer a luz das sombras e ofuscam as sedas cor de palha das coisas que significam...Tempos de novas colheitas,não seja eu o fruto não colhido,nem seja voce semente que se esquiva,o mundo é agora,o presente é presente,cruzamos as teias e a linha do horizonte se concretiza,integramos a tapeçaria de palavras e sonhos,sonhos e desejos,ultrapassamos limites ,tudo e quase-nada,poesias aladas. Continue a nos presentear com a linguagem do futuro de hoje.Grata pelo seu angélico dizer.

Anônimo disse...

Vou ter que lhe dizer quão linda está sua re-criação klintiana.Prossiga.