Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

19 de fev de 2007

Alyzarim

Asas ariscas
riscam o blue
cintilam olhos
verdes abismos
sons de silêncio
espiam suspiram
sonhos violáceos...

Asas afoitas
fiam inventam
linhas e laços
pontes no espaço
batem à porta
da alma fechada
para balanço...

Almas aladas
voam flutuam
choram encantam
fluem mergulham
riem desvendam
novos caminhos
assimetrias
no alyzarim...



*Poema dedicado à artista Kity Amaral, dona de uma "alma de beija-flor", conforme a poeta Célia Musilli...

3 comentários:

Edilson Pantoja disse...

Asas são sempre exceção. Sobrenatural ilimitado. Âncoras, uma necessidade desnecessária.
Abraços!

Kity Amaral disse...

Ana Luisa K.,
fico muito lisonjeada
de te ins-pirar.
Beijos
[fruto suspenso
a que susto pertenço?
Leminski]

Analuka disse...

Almas coloridas e aladas
ins-piram pintores e poetas
por toda a eternidade azul,
respingada de alyzarim, sweet Kity!