Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

1 de jun de 2007

Véus


Delicada homenagem de uma amiga lírica,
Luciana Marinho:

http://www.maquilirica.blogspot.com
...Entre estrelas e véus, colhendo flores azuis enluaradas...

9 comentários:

adelaide amorim disse...

Linda homenagem, Ana. Mas muito merecida. Sou tão desligada que várias vezes estive a ponto de perguntar a você de quem seriam essas imagens incríveis do Ânkoras & Asas. Agora já sei. Meu queixo caiu, de pura admiração. Um beijo - ou melhor, um mosaico de beijos.
PS: Posso usar imagens suas, com o devido crédito, em ilustrações para postagens?

Luiz Alberto Machado disse...

Oi, Ana pessoamigalinda, mais uma vez por aqui apreciando seu maravilhoso espaço.
Beijabrações
www.luizalbertomachado.com.br

Allan disse...

é sempre bom ter o reconhecimento que merecemos, faço das palavras dela, as minhas também.

rs. muito legal a coincidência, do verdade, valeska.

fico por aqui, um abraço! =]

Allan disse...

verde* (correção)

cássio amaral disse...

fui lá e uivei!!!


amiga kaminski sabe penso que somos bem metafísicos...


gosto da sua obra, da sua produção.


beijabraço e muita luz e saúde.

p.s. escutando santana deus da guitarra maia, asteca?

ELSON TEIXEIRA CARDOSO disse...

Ana:

Poesia sublime.

Vc merece a homenagem, pq seus versos são pinturas e suas pinturas são versos, q retratam aquilo que é: BELA.
Seu mundo é o de uma fada. Seu pincel, um condão. Acho que não existe, é uma pintura, uma personagem.

Beijo,

elson

Luiz Carlos Rufo disse...

Um ou dois Poliedros de cristal
Você é musa divina de robustez. Estou desvencilhando-me de compromissos terrenos, para vir a encontrá-la no âmbito do que chamamos de arte, se não debruçado sobre sua carne azul previnca a saborear seus olhos de olho-de-boi, determinados e imperiais, pelo menos olhando você passar, ao longe, segurando tintas, lavando pincéis, negociando estrelas.
Você é Deusa de frascário. Estou aqui com minhas idéias e meus afazeres e, entre um descanso e outro, sonho. Sonho que me pinta o rosto com apenas um toque dos dedos na tela, sonho que me fala de alguém, sonho, estupefato, ao ouvi-lá dizer-me que não sonho e que aquele retrato que me apresenta sou eu vivo de antes, também, do aqui e, quem sabe, do porvir.
Você é mulher vegetal de fraterna pureza e transparência em poliedro. Estou andando e conferindo os passos. Um exercício do presente. Cambaleio, ando a bordejar. Não por fraqueza mas em busca da experiência, pendo para um lado e para o outro fingindo movimentos sem equilíbrio, gracejando com a estabilidade. Dou pulinhos compassados como quando era criança nas vizinhanças barrentas de Engenheiro Goulart. Espanto um cachorro bonzinho, dissimulando-me de monstro fingido, balançando as mãos no ar, oscilando daqui para ali e só pensando em você. Quando paro e respiro ocupo-me de acender velas para as boas almas do cruzeiro, que fica ali no fim da rua e que serve muito bem para congregar esperanças.
Você é espelho biselado donde atento a me ver, sob efeito de algo dito anteriormente, buscando procedência. Ah! essa luz.

açucar união disse...

Belo-!

Nilda disse...

Simplesmente Lindo!!!!!!!!!!