Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

27 de abr de 2007

Triangular...



Entre tristezas e êxtases
transitamos
mas nem sempre habitamos
os abismos ou ápices
da ondulante emoção:
existe um terceiro espaço
entre-lugar volátil, duvidoso
híbrido, enevoado, nebuloso
uma triangular abertura
ou fresta, canal, passagem
limiar, lugar de luzes e doçura
bruma leve onde dança a aragem
e balança livre o pêndulo do tempo
qual mensageiro-mágico-dos-ventos
anunciador de imprevistos e surpresas
no tilintar dos musicais movimentos
réstias de sol matinal, delicadezas
retalhos de céu anil outonal
janelas de cortinas rendadas
pontes, portais e entradas
onde repousam as asas
amantes de luz e azul
onde renascem as almas
sensíveis, suaves, serenas
libertas de segredos ou medos
prenhes de seiva vital
reluzentes de ternura
e cristal...


***Dedico este poema à linda Leila Lopes,
alma luminosa que capta e traduz em suas imagens e palavras os sinais da doçura divina presentes no mundo, lugar de tantas ambivalências, paradoxos e mistérios...

Seu trabalho pode ser visto em:
Palavra e Destino
In Margens
(ver lista de links ao lado)

23 comentários:

cássio amaral disse...

Merecida homenagem Kaminski, Leila é uma pessoa pra lá de gente boa.

Bacana o poema, parabéns.

Beijabraço.

Anônimo disse...

Minha Poetisa....
Não conheço a Leila...mas,acredito que só uma pessoa tão especial é merecedora de todo esse carinho e sensibilidade,que emana assim de vc...com essa ternura e paz!!!
Que meiguice esse poema,e ao mesmo tempo de uma firmeza sutil e arrebatadora.

beijos de sua amiga,
Vania.

Fabrício Brandão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabrício Brandão disse...

Falar de Leila implica explorar lugares sensíveis. Seu poema, Ana, nos dá uma sensação verbivocovisual de como enteder a poética da homenageada. A beleza disso tudo é saber que todo poema tem sua imagem própria.

Beijos azuis de poesia, querida!

Leila Lopes disse...

Ana-luz,
neste exato entre-lugar sagrado, onde poucos alcançam, há esta felicidade, a magia dos encontros, apenas permitidos por uma sensibilidade ímpar. Desta mesma sensibilidade que há em ti e que tanto nos engrandece. Certeza de caminhar em um mundo louco com mais coragem e serenidade.
Agradeço o carinho, o poema que traduz exatamente aquele lugar lindo que existe em nós.
Fiquei muito feliz mesmo.
:)
Beijos luminosos.

célia musilli disse...

tudo muito lindo..um beijo.

ELIANA DE FARO VALENÇA disse...

Ana Luisa minha querida poeta iluminada....é quase visível esse entre-lugar construído com tanta delicadeza...a nossa alma logo começa a bater as asas atraída pela delicadeza da tua essência....como borboletas atraida pela flor....é uma alegria que descubro não estar só nesse mundo encantado em meio a tanto egocentrismo e egoísmo....
Parabéns por tão lindos versos e parabéns a Leila por inspirar essa bela composição....
Lindo lindo lindo
Beijos estrelinhas coloridas de carinho

Ana disse...

A Leiluka deve ter ginga! Olha a cadência do poema!
Olha a Analuka entrando pra roda de samba!

Adorei!
Beijos

Anônimo disse...

Conheço Ana Luisa há pouco tempo, mas já deu pra perceber que ela tem uma alma, que não cabe dentro do corpo. Leila Lopes deve ser uma pessoa muito especial e iluminada.
Linda homenagem, de grande sensibilidade, de quem conhece e brinca com o ritmo, a beleza, o mistério das palavras.
Parabéns, linda!
Beijos de sua amiga,
Tuda.

lau disse...

dwtzhlMinha bela, vc sempre surpreende positivamente pela capacidade de transformar emoções em palavras.
Um beijo!

Bárbara Lia disse...

Ana, espelhos de sensibilidade nas pinturas e poesias,
grande abraço

andarilho - um louco errante disse...

Que delícia poder visitar sua casa, queria Ana. Lembro de nossas correspondências, das borboletas, das poesias. Aceita voltar a elas? Tenho uma frase que é, sem dúvida, um belo tema. Beijos.

Késia Maximiano disse...

belissima homenagem..
bjos

adelaide amorim disse...

Prazer em conhecer você, viu? Gostei muito daqui, e quanto à Leila, gosto dela só pelo trabalho que realiza. Um beijo grande.

Analuka disse...

Comentário de Roberto Joaldo de Carvalho, recebido pelo orkut:

"Oi, que bacana homenagem a Leila! Teus versos, embora eu não tenha saído contando as sílabas, dão uma sensação de estarem dançando dentro de uma métrica que ainda não sei definir. Vou matutar, voltando com mais tempo ao texto, a fim de que eu possa expressar algo mais que essas primeiras impressões!"

Neuzamaria Kerner disse...

O mundo ainda tem jeito de ser consertado por que existem os poetas. O poema pra Leila é a expressão do amor que podemos dedicar aos nossos companheiros planetários. Leila, do árabe, hegra como a noite.
Parabéns!

Yuri Assis disse...

esse terceiro espaço, entre-lugar é a minha casa, onde habito maior parte do tempo.
e é vida, acredito que é quando realmente sentimos e nos permitimos acontecer no espaço-tempo.

vc sempre azul, minha cor preferida!

beijinhos de nuvem.

Yuri Assis disse...

Leila linda, amo a forma como ela capta os sussurros diluídos no espaço-tempo.
acho isso de captar sussurros uma maestria, é necessário mais que percepção.

Concha Rousia disse...

Tuas palavras, acompanhadas sempre pola harmonia de tua cor, confirmam sempre a experiência do renascer das almas sensíveis, suaves, e serenas aqui na tua beira... sem medos, sem segredos desnecessários... e sim com muita muita ternura e luzazul :)
poetabeijo

Julie disse...

Lindo!!!
Obrigada pela visita!
Beijinhos

Val Freitas disse...

Leiluka merece muitos outros poemas. pela determinação em sua arte, sua sensibilidade visual - uns só utilizam da acuidade e ponto. pelo jeito, maneira de ser apenas e só o que realmente é: nunca estamos mesmo completos. bela homenagem, Analuka. carinho a gente deve mesmo distribuir.

Gato Vadio disse...

...e, na sutileza e mágico envolvimento de habilidosas letras em etéreo versejar, aprecio aqui a homenagem mais que justa; singela forma de encantada alma de vate piratini em revelar a luminosa silhueta em translúcida coroa de fascinantes letras, cingindo-a com a majestade própria dos extra-classes. Admiro-te a cada texto, Ana querida, Ana maravilhosa! Um abraço do Gato Vadio, sempre seu Jorge.

Tina disse...

Oi Ana!

Linda e merecida homenagem: a Leiluka é linda de viver. Suas fotos e palavras são inigualáveis.

beijos querida,