Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

18 de mai de 2007

Farelos...

Clique aqui para ler o texto de Luiz Rufo sobre meu trabalho

Hoje flutuam na alma


restos de desejos rosados
cinzas estelares azuis
migalhas de sonhos violetas...



Cintilam sentidos soltos
cores
farelos de luas e letras...

...

Texto "Ticiano" de Luiz Rufo

25 comentários:

Yuri Assis disse...

você sempre um arco-íris!
bjo!

Luiz Carlos Rufo disse...

Acho que encontrei o grande benfeitor da humanidade.
Encontrei-me hoje “Tocam sinos” com o homem dos pés descalços, seja qual for a base histórica que se me apresenta, acatou-me vontade de fugir. Pareceu-me, a principio, não vê-lo, mas quando vinha ao longe, por sua sombra esfarelada e azul, sabia tratar-se de tal pessoa, pois assim são os que lhe parecem os que de lá vêm. “Tocam sinos”. Hoje, pensei, mesmo ao longe me vê pois flutuava uma orla oriental em seu rosto e a alegria de saber que daqui eu o olhava, com vergonha, refutatório. Lá vem ele “Tocam sinos” e trás na alma restos de um desejo, anteriores a nossa amizade. Sendo homem ou mulher, porque lembrou-se de mim a esta tal distância? Não seria pois motivo de idade que de longe não avistasse, já que vinha chegando de fora, esse, aqui, velho amigo? São rosadas as migalhas da lembrança feliz só porque algumas deusas criaram motivos para terem suas belezas julgada por tal pastor? “Tocam sinos” e sonhos violetas é dificil de se achar o que dizer então de poeiras estelares azuis nas vestes pictóricas de Ticiano, pela mão de uma artista encarnada, relatado antes em "Assunção da Virgem", considero-o por isso “Tocam sinos”. No intervalo de sua chegada, que muito pouco durou e estranhamente demonstrava sensualidade e uma luminosidade quente, pois apesar de tal idade funcionam bem tais pernas, cintilavam uns sentidos soltos revelando a personalidade de seus modelos em com cores e farelos de luas e letras... Não estava ele muito bem em sua casa. Ticiano, Ticiano! Deixe a pintora pintar, seu tempo já passou, já que o amor vem de longe, cresce no regaço do propício, chora quando liberta e ri quando se vai. “Toque o sino, Ticiano”

Tuda disse...

Há dias em que a gente acorda para a vida
qual borboleta pequenina, recém nascida:
anda, sonha e vibra, começa e pára
deixa o dia todo passar sem fazer nada,
e sente vontade grande de amar, mas o tempo
passa e fica sempre no mesmo começar.
Há dias em que a gente acorda para voar.

(Célia Lamounier)

Super beijo, Ana!

anjoazul poesias e cia disse...

restos de desejos rosados
migalhas de sonhos violetas
poeiras estelares azuis...

Ah, o desejo, esse multicolorido inacessível...

Fabrício Brandão disse...

... e os instantes vão se enchendo daqueles retratos, fragmentos de quimeras mil e etc. Na gaveta da memória, as mãos acariciam a textura do sentimento puro. O que fazer disso tudo? Beber o antídoto eterno da reconstrução de si para depois quem sabe...


Querida, densas palavras as tuas!
Beijos

Leila Lopes disse...

Por aqui, hoje, algum peso de nuvem me deixou perto do chão, mas nem por isso deixo de vagar nos azuis da tua alma que flui em cores, letras e sentidos tão leves e livres.
Beijos noturnos.

Celia disse...

poeiras estelares são muito poéticas..sempre me perco nesta imagem.. rs, um beijo e bom fim de semana

héber sales disse...

dos farelos
viemos
aos farelos
tornaremos

beijo!

Luiz Carlos Rufo disse...

Acho que encontrei o grande benfeitor da humanidade.
Encontrei-me hoje “Tocam sinos” com o homem dos pés descalços, seja qual for a base histórica que se me apresenta, acatou-me vontade de fugir. Pareceu-me, a principio, não vê-lo, mas quando vinha ao longe, por sua sombra esfarelada e azul, sabia tratar-se de tal pessoa, pois assim são os que lhe parecem os que de lá vêm. “Tocam sinos”. Hoje, pensei, mesmo ao longe me vê pois flutuava uma orla oriental em seu rosto e a alegria de saber que daqui eu o olhava, com vergonha, refutatório. Lá vem ele “Tocam sinos” e traz na alma restos de um desejo, anteriores a nossa amizade. Sendo homem ou mulher, porque lembrou-se de mim a esta tal distância? Não seria pois motivo de idade que de longe não avistasse, já que vinha chegando de fora, esse, aqui, velho amigo? São rosadas as migalhas da lembrança feliz só porque algumas deusas criaram motivos para terem suas belezas julgada por tal pastor? “Tocam sinos” e sonho violeta é difícil de se achar o que dizer então de poeiras estelares azuis nas vestes pictóricas de Ticiano, pela mão de uma artista encarnada, relatado antes em "Assunção da Virgem", considero-o por isso “Tocam sinos”. No intervalo de sua chegada, que muito pouco durou e estranhamente demonstrava sensualidade e uma luminosidade quente, pois apesar de tal idade funcionam bem tais pernas, cintilavam uns sentidos soltos revelando a personalidade de seus modelos em e com cores e farelos de luas e letras... Não estava ele muito bem em sua casa. Ticiano, Ticiano! Deixe a pintora pintar, seu tempo já passou, já que o amor vem de longe, cresce no regaço do propício, chora quando liberta e ri quando se vai. “Toque o sino, Ticiano”

Jeniffer Santos disse...

Olá.
Lindo teu blog!
Belo poema!
Beijos!

Luiz Alberto Machado disse...

Noosa!!! Muito lindo seu espaço, adorei. Vou indicá-lo nas minhas páginas.
Beijabrações & sucesso!!!!!
www.luizalbertomachado.com
http://www.youtube.com/luizalbertomachado

Tina disse...

...e a recolher farelos assim, sigo vivendo. É a vida. Nem sempre como gostaria, apenas vivida.

Ler você é doce prazer. Obrigada.

beijos querida,

Lunna disse...

Oi moça...
Nossa! Que sensibilidade gostosa nessa noite de chuva pelas esquinas... Quase me perdi em seus versos.
Abraços

Maria disse...

A leveza das tuas palavras soam como bálsamo para a alma. Diáfanos farelos. Lindos. Beijos

Yuri Assis disse...

amiga-arco-íris-paleta-cor-mágica-mistura-farelo,
postei nova poesia em meu blog, celebrando uma raiva q senti um dia.
qdo puder, confira!

bjo!

Neuzamaria Kerner disse...

Olá!
poemas sempre lindos! Gosto dessas coisas estelares!
Abraço

Paulo Sempre disse...

Os poemas trazem sempre, lá dentro, pessoas famintas, porque será?
Beijo
Paulo

Carito disse...

so far... so farelos... farelos de ligação...

Patrícia disse...

Obrigada pelos teus comentários em meu blog e também pelas dicas com relação à ortografia. É, eu digito muito rápido e, infelizmernte, acabo permitindo que erros banais[mas que comprometem] passem desapercebidos!
Uma ótima semana..
E em tempo:
Tuas telas e textos são lindos!!!

[almadomeusonho.blogger.com.br]

luma disse...

A alma se esfarelando no tempo!

Tanto tempo sem vir aqui!!

Beijus

Anônimo disse...

Poetisa Azul,

Bom fazer parte desses farelos amarelos,grãos de ouro,verniz,maracujá....Borboletas,sementes...sementes de vida que vc espalha pelo universo azul.
Parabéns,Ana!
Lady Vania.

F. Reoli disse...

Farelos de Lua que trazem sensações a minha pele nua...
Beijos

Mônica Montone disse...

Aproveite, então, querida :o)

beijos e obrigada pelas visitas carinhosas ao Fina Flor.

Seja sempre muito bem vinda ao canteiro!! Gente fina, sensível, elegante e sincera é sempre bem vinda por lá...

beijocas,

MM

Rosangela disse...

Simplesmente sem palavras....Maravilhoso...POsso sentir, mais não descrever o que sinto...
Achei seu cantrinho e com certeza voltarei mais veezs...
beijos

glória disse...

ana, sua página azul, sua poesia azul e suas telas azuis me deixam leve e silenciosa. encontro tantas referências poéticas em sua poesia.A simbologia da ana e sua mistura de cor-palavra+ palavra imagem...
( eu que amo tanto o azul, me banho em sua página, para mim, é como chegar aos poucos no mar azul de águas mornas. eu vou entrando calmamente e qdo olho para os lados só sinto o mar de sua palavra-imagem e respiro uma certa brisa suave,restauradora,mas ao mesmo tempo carregada de uma saudade de não sei-o-quê... E rio diante do meu espanto pelo azul, pelas telas, pela poesia.) sua poesia é um mar.