Exercícios poéticos, apaixonados e patéticos: pequenos mergulhos e vôos, para compartilhar...

28 de mai de 2007

Trans-lucidez...















Apenas pingos poucos
cintilam choram curvos
ao cosmos costurados
clamam no véu do espaço
no escuro céu crispados...
Apenas poeiras esparsas
e cores-vozes voláteis
cheirando a orvalho e chuva
circulam velozes-versáteis
dançantes no ar azul-uva...
Apenas farelos frágeis
de ferro, fogo ou brasa
afagam a boca rubra
da esbelta taça dourada
postada no centro da casa...
Apenas pedaços soltos
de desejos faiscantes
sonhos, asas e vapores
flutuam nos instantes
da tarde quase triste
fragmentos de amores...


Cacos...

Pequenos pedaços
de sonhos violetas
explodem em cacos
de luas e letras
no espaço azulado
respingam, transvazam
cristais nas gavetas
risonhos delírios
e mil borboletas...

Sopro

O universo conspira.
O silêncio sussurra.
A letra delira, pulsa, suspira...

(*Imagem: "Tran-lucidez" ou "Colagem Azul". Composição de Ana Luisa Kaminski)

25 de mai de 2007

Transe...












As línguas doces do sol
lambem farelos de luas
nas janelas e ruas, nos véus
lambuzam almas e vidraças nuas
nos ares leves da manhã de maio
dias de mel e luz, nos céus...

(*Imagem: "In-Conclusão". Pintura de Ana Luisa Kaminski)

24 de mai de 2007

Azul...


Andando pela rua
ambivalente manhã
clara de sol e lua
um banho de luz
abundante azul...


(*Imagem: detalhe de "Conchas Azuis".
Pintura de Ana Luisa Kaminski)

23 de mai de 2007

Asas...



Apenas partículas, penas
restos e sombras, plumas
riscos e sonhos, traços

rastros de asas rosadas

cinzas azuis e brumas
entre vôos e pinceladas
mil volteios e vertigens
ou delicadas an-coragens
no seio das madrugadas
no violetanil, viagens
em teu céu revisitado...

Apenas partículas, gotas
sobras e respingos de luz
sinais de desejos, doçura:
saudade aveludada e densa
do sorriso solar, da ternura
nesta manhã lilás manchada
de chumbo-cobalto, escura...

Apenas partículas, grãos
letras e luas aguadas
lembranças de loucuras sãs
aquarelas, memórias aladas
nas curvas noturnas, nos vãos
insistem e cintilam, dançantes
estrelas, entrelinhas, estradas...

(Imagem: detalhe de "Anja Rosa". Pintura de Ana Luisa Kaminski)

18 de mai de 2007

Farelos...

Clique aqui para ler o texto de Luiz Rufo sobre meu trabalho

Hoje flutuam na alma


restos de desejos rosados
cinzas estelares azuis
migalhas de sonhos violetas...



Cintilam sentidos soltos
cores
farelos de luas e letras...

...

Texto "Ticiano" de Luiz Rufo

17 de mai de 2007

Cinzas & Estrelas














Chuvas cósmicas e vôos
no intra-caos abissal
cometas ariscos, poeiras
gotas, pingos, vendaval
acontecem nas manhãs
molhadas-móveis de maio
constelações e conjecturas
das mil danças, o ensaio...

Cristais, anéis, elipses
luas e espirais
galáxias fumegantes
e pérolas astrais
estrelas trituradas
fuligens, sais, vapores
lampejos, cintilâncias
memórias de amores...

Cacos de conchas, casulos
céus e correntes marinhas
águas, ritmos, rituais
incandescentes entrelinhas
encontros, fluorescências
colares, curvas, caracóis
no espaço livre e nebuloso
do mergulho entre-lençóis...

Cinzas de sóis e sonhos
restos, farelos, grãos
adornando pés, cabelos
pescoços, seios, mãos
na travessia da noite
brilhos, pós e pedrarias
fios de nuvens violetas
fiapos de fantasias...

11 de mai de 2007

Gavetas & Guarda-Chuvas...









Gosto de guardar envelopes
com selos coloridos cantantes
trazendo vozes e livros alados
chegados de lugares distantes
contendo suspiros, asas, pólens
ecos de almas de poetas singrantes...

Gosto de guarda-roupas antigos
porta-chapéus e baús violetas
casacos e cachecóis, cabideiros
cômodas, criados-mudos, gavetas
cheias de papéis, chaves e cheiros
cartas e sonhos azuis, borboletas...

Gosto de guarda-chuvas flutuantes
pensamentos fluidos, frágeis, viajantes
flanando por ruas molhadas nuas flores
olhares líquidos, lagos, pedras, dores
pétalas perdidas caídas nas calçadas
poças,passos, prazeres, pingos, cores...

7 de mai de 2007

Antenas...







Entre Ânkoras e Asas, tentando me equilibrar, sem tirar os pés do chão nem as asas do céu, as antenas no ar....

3 de mai de 2007

Indeléveis...


...E ficam, sim, as marcas indeléveis do vivido e sentido, em nós: os sulcos, desenhos, cicatrizes... como parte integrante do ser , de nossa urdidura e história... Nestes dias de outono, uns estados “diferentes” na alma: de leve nostalgia, saudades do passado e do porvir...No presente, suaves sobreposições e veladuras: memórias do que foi, é e será. No coração, caldeirão de emoções, sumo enriquecido pelo sabor de tantas lembranças e amores: delicadezas!...

1 de mai de 2007

Lua Cheia


Luzes
surgem
no olhar
amado.
Noite azul
de lua cheia.
Algo na alma
pulsa e vibra,
algo no ar
nos incendeia.
Brilhos de sol
rosa nascente,
peles cintilam
na flor da aurora
suavemente.


Beijos e risos
de diamante,
cristal volátil
leve instante
em que tocamos
o paraíso
céu viajante.
Brinde alado
ao amor livre
redescoberto
eternizado.


*Poema dedicado ao doce Beija-Flor-Azul de meu coração,
Osmar Ernesto Kohn, dono de uma alma suave, amorosa e clara.